Publicidade
Terça, 28 Outubro 2014 00:53

Na Missa, imite o Papa Francisco, e não o bonecão do posto!

Postado por

Um bispo extrovertido, que faz piada, que critica os cristãos pessimistas, aqueles com “cara de vinagre”. Esse é o nosso Papa Francisco! Mas quando o vemos na missa... Quanta diferença! É um homem profundamente recolhido, de semblante sério e compenetrado. É como um cristão aos pés da Cruz.

Muito se fala do “legado da JMJ” e das grandes coisas que Francisco nos ensinou nos dias em que esteve junto aos jovens, no Rio de Janeiro. Porém, a postura do nosso maior líder espiritual durante a missa passou despercebida para muitos. Nesse sentido, especialmente durante a Missa de Envio, o Papa evangelizou mesmo nos momentos em que não disse uma só palavra!

Vejam as cenas do vídeo abaixo, a partir dos 5:00 min. Durante o “Glória”, a maioria dos padres e leigos dá uma de bonecão do posto, requebrando e sacudindo os braços no ar (alguns joselitos até pulam quando veem que estão aparecendo no telão!). Enquanto isso, o Sucessor de Pedro mantém a cabeça baixa e as mãos postas, em serena oração.

É... parece que o Papa não curte mesmo uma folia durante a missa (e nem tampouco o Monsenhor Guido Marini, que, a seu lado, olhava a assembleia com uma cara de “MAZOKEIÇO??!!”). Assim, Francisco vivencia aquilo que São João Paulo II já havia pontuado:

"O sacerdote, que celebra fielmente a Missa segundo as normas litúrgicas, e a comunidade, que às mesmas adere, demonstram DE MODO SILENCIOSO MAS EXPRESSIVO o seu amor à Igreja."

– Encíclica Ecclesia Eucharistia

O Papa Francisco sempre insiste em dizer que o cristão não pode ser melancólico, não pode ser uma “múmia”. O cristão, na verdade, é o mais feliz de todos, porque tem a amizade de Jesus, o Verbo Encarnado, Deus feito homem. Mas o povo católico precisa entender urgentemente que reverência e recolhimento durante a missa não demonstram chatice ou tristeza, mas sim humilde adoração!

Muita gente justifica o oba-oba na missa dizendo que Jesus não está mais na cruz, ressuscitou. Sim, é o próprio Deus Vivo que age na pessoa no sacerdote! Entretanto, a Paixão e a Ressurreição se fazem presentes da missa de modo diverso: a Paixão é misticamente atualizada, ou seja, se apresenta de modo real e substancial diante de nós; já a Ressurreição é somente recordada e celebrada.

Ok... Agora pense que você pudesse ter a imensa graça, neste instante, de voltar no tempo e ser testemunha ocular da ocasião em que Jesus saiu do túmulo. E então... Será que saltaria e sacudiria os braços no ar, diante do Ressuscitado? Ou sua alegria e devoção seriam tamanhas que te mergulhariam em uma silenciosa contemplação?

Quando os cristãos micareteiros de missa entenderão que a alegria cristã é muito mais saborosa e profunda do que a alegria agitada do mundo? Sobre isso, nos esclarece mais uma vez o Papa Francisco:

“Os cristãos são homens e mulheres alegres, como nos ensinam Jesus e a Igreja. Mas o que é esta felicidade? É alegria? Não, não é o mesmo. A felicidade é um pouco mais, é uma coisa que não provém de razões momentâneas: é mais profunda, é um dom. A alegria, no fim se transforma em superficialidade e nos faz sentir um pouco ingênuos, tolos, sem a sabedoria cristã… A felicidade não. É um dom do Senhor, é como uma unção do Espírito; é a certeza de que Jesus está conosco e com o Pai”.

- Homilia da Casa de Santa Marta. 10/05/2013

Vamos imitar o Papa Francisco! Quando estivermos na missa, ainda que mil requebrem à nossa direita e quinhentos sacolejem os braços à nossa esquerda, permaneçamos sóbrios e humildes aos pés da Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

4304 Quinta, 27 Julho 2017 22:50

Comentários   

0 # Hiago 06-10-2016 17:17
Mas esse arranjo que colocaram no Glória tbm viu...brincadeira! Verdadeiro carnaval essa introdução
Responder | Responder com citação | Citar
-5 # Catiane 04-03-2016 14:46
Quanta bobagem! O que realmente importa é o que tem no coração de cada um.
Responder | Responder com citação | Citar
+7 # A Catequista 04-03-2016 16:04
Tem razão. Vamos todos pelados na missa, e vamos fazer um baile funk durante a procissão de entrada. E quem criticar, nóis diz que é besta, porque o importante é o que cada um tem nu corassaum.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 23-11-2017 12:34
Kkkkkkkk, boa esta, fankisao da hora, é pra incrementar: mamonas assassinas com a música peladios em Santios.
Kkkkk...
Responder | Responder com citação | Citar
+5 # Isa 28-12-2015 16:26
Boa tarde. A paz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Perfeito o post. Eu em primeira vista, por ter uma bela e jovem aparência, tive receio de que o blog fosse um tanto o qual carismático no nível do absurdo. Calma, nada contra a RCC. Mas quanta alegria ao ver um post que relata exatamente a importância da tradição da oração e do silêncio na Santa Missa. Ontem, não conseguia nem me concentrar direito após comungar, tamanha folia a banda fazia durante a Eucaristia. Alguns padres tem receio de orientar o grupo de jovens para que escolham músicas de acordo com o momento, mas temos que ensinar sem receio. Novamente, parabéns e obrigada pela sobriedade do conteúdo deste post. Ps: Bonecão do posto foi a melhor do ano...rs
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Euler Rodrigues 11-07-2015 22:52
Que matéria desnecessária. O Papa é um exemplo de acolher a todos. A Santa Missa é para nos curvarmos diante do Cristo Sacramentado. Mas que mal há em quem ergue seus braços e louva o Senhor. Tem horas que vcs preocupam mais com as regras do que com o amor. Eu me dobro diante do Senhor e tbm ergo os meus braços e o louvo. Pois," Foi diante do Senhor que eu dancei" DAVI rei.
Responder | Responder com citação | Citar
+4 # A Catequista 13-07-2015 12:12
Eu ler, a dança de Davi diante da Arca não deve ser usada como justificativa para a dança na Missa. A Arca carregava as tábuas da lei, símbolo de uma Aliança imperfeita e provisória. Já A missa reapresenta a nós o sacrifício de Cristo da cruz. Não tem nada a ver uma coisa com a outra. Davi jamais dançaria aos pés de Cristo sofredor. Recomendo que vc leia este post: “A Missa torna presente o sacrifício da cruz” (S. João Paulo II) http://ocatequista.com.br/archives/15450
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Durvalina Roque de Souza 11-07-2015 18:59
vamos seguir as recomendações do Santo Papa e pedir a Deus tolerância, sabedoria e discernimento , mas que é de colocar o joelho no chão e rezar pelo irmão quando ele não para de falar dentro da igreja e sem dar uma de moralista, m u l h e r e s atenção aos modelitos usados na igreja, sejamos discretas e bem vestidas literalmente!
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Gardênia Régia 18-05-2015 19:36
Eu gostaria como leiga fosse-me mais esclarecedor teferente às palmas e braços levantados no que refere-se aos momentos da Santa Missa pois o que me trouxe de volta a Igreja foi a alegria e entusiamo que eu vi nos irmãos e me contagiou, mais nunca contagiou'me de maneira que eu perdesse a postura durante a a participação na Sta. Missa. Mas com a mudança de novo padre, ele liturgico e com isso muitas coisas mudaram na nossa comunidade, as celebrações principalmente. Mas vejo a minha comunidade triste nas Santas Missas e foi assim que eu me sentir. Mas seria bem melhor para os padres e nos leigos que tivessimos documentos do nosso amado Papa Francisco ou de nossa Igreja, documentos para podermos saber como nos comportar-mos diante a participação ou que sejamos orientados pois fazemos constantes formações, e os celebrantes. Já que temos pouco operários e a messe é grande, e os padres seguisse o rito da Missa todos igual. É muito desconcertante um padre celebrar a Missa silenciosa, conteplativa e na outra semana pedre canta, bate palma.Nos emcomoda a nossa espiritualidadece caminhada nos deixando cheias de duvidas. Fica parecendo filhos desobedientes.
Responder | Responder com citação | Citar
+2 # A Catequista 18-05-2015 20:20
"Mas vejo a minha comunidade triste nas Santas Missas e foi assim que eu me sentir." Que bom que estão tristes! Espero que estejam fazendo memória das dores de Cristo no Calvário, e assim fiquem tristes por todos os sofrimentos que o Santo Inocente Cordeiro de Deus passou, na mãos dos homens, para tirar os pecados do mundo. Em uma entrevista, o santo Padre Pio disse que temos que participar da Missa como Nossa Senhora e São João estiveram aos pés da Cruz. E disse também: "Meu filho, estamos na Cruz, e a Missa é uma contínua agonia". (Tirada de Tradition Catolica, nº 141, nov. 98 citando “Assim Falou o Padre Pio” (S. Giovanni Rotondo, Foggia, Itália, 1974) com o Imprimatur de D. Fanton, Bispo Auxiliar de Vicenza.) Quer se divertir, vá para um forró, compre ingressos pro show da Ivete Sangalo, vá prum pagode... Lugar de alegria esfuziante não é na missa, que torna presente o sacrifício de Cristo. "Mas seria bem melhor para os padres e nos leigos que tivessimos documentos do nosso amado Papa Francisco ou de nossa Igreja, documentos para podermos saber como nos comportar-mos diante a participação ou que sejamos orientados pois fazemos constantes formações, e os celebrantes." A Igreja tem vários documentos sobre isso, em especial a Encíclica Ecclesia Eucharistia, de São João Paulo II. Destaco o trecho que já apresentamos no post: “O sacerdote, que celebra fielmente a Missa segundo as normas litúrgicas, e a comunidade, que às mesmas adere, demonstram DE MODO SILENCIOSO MAS EXPRESSIVO o seu amor à Igreja.” (Encíclica Ecclesia Eucharistia) Você tem razão sobre como o povo fica perdido, vendo cada padre agir de um modo diferente do outro. Infelizmente, muitos são os padres ignorantes ou desobedientes, e assim o povo fica confuso, sem saber o que é certo ou errado sobre a liturgia.
Responder | Responder com citação | Citar
+2 # Jair victor 17-05-2015 23:12
Concordo em gênero,numero e grau com o texto. E como sempre bem escrito. Acho que pode ser acrescentado também a situação dos grupos de canto em nossas igrejas. Hoje parece indispensável instrumentos como bateria e guitarra. Na hora da missa é aquela barulhada, batucada, ou seja um verdadeiro espetaculo
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Emerson 15-05-2015 22:19
Então está na hora de orar em línguas na missa carismática, e antes que diga que ela não existe, ela não só existe como era muito celebrada por Francisco quando era Cardeal e Diretor Espiritual da RCC:“Quando eu celebrava a Santa Missa com a Renovação Carismática na catedral em Buenos Aires, depois da consagração e após alguns segundos de adoração em línguas, entoávamos este canto com muita alegria e força, como fizestes hoje. Obrigado! Senti-me em casa!” Discurso durante o 37.º Encontro da RCC na Itália, Junho de 2014.
Responder | Responder com citação | Citar
+2 # Vinícius 23-02-2015 01:31
Boa noite. Gostei muito do seu blog, das coisas que escreve, de sua visão sobre mundo e Igreja, e a maneira como escreve, num linguagem totalmente moderna, porém sem perder a personalidade católica e o seu significado. Parabéns!! Um abraço
Responder | Responder com citação | Citar
0 # zenaide melo 21-02-2015 12:23
gostaria de sugerir que fosse sugerido as igrejas então que não houvessem palmas nas exposições do santíssimo .pois todas ás vezes que acontecem em todas ás igrejas batem palmas .em todas
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Pe André Luis 20-02-2015 23:32
Saudação a todos, Sou padre de uma Arquidiocese tida como conservadora fui e sou formado, espiritualmente, por uma "movimento" tido como conservador. Atuo como referencial da juventude num dos Regionais da CNBB, por isso, lido com muitas expressões diferentes e procuro ver em cada uma delas o "Sopro" de Deus ao invés de "julgar" qual está mais ou menos correta. Presido a Santa Missa sem palmas, sem braços erguidos e etc. Procuro ter muito zelo com a Liturgia. No entanto, vejo muitos exageros e extremismos entre aqueles que se põe a ensinar sobre o assunto. ATENÇÃO: temos continentes muito distintos, e dentro de um mesmo continente países com culturas diferentes e no Brasil, poderia ainda dizer, estados diferentes. A cultura influi muito na celebração litúrgica e os texto litúrgicos destinados ao mundo todo tem espaços de abertura para serem adequados pelas conferências episcopais nacionais, pois reconhecem ser impossível tratar todos do mesmo modo. Sugiro bom senso e caridade. Uns dançam, outros batem palmas, outros silenciam ... Louvado seja Deus por todos estarem na presença de Deus. A JMJ mostrou a beleza na diversidade ou a beleza da diversidade. Na África não bater palmas e não dançar pode ser interpretado por alguns como falta de piedade. E eu não ousaria dizer que eles não têm fé. Não tive intenção de polemizar nada. Um abraço a todos. Deus abençoe.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Padre Orlando Henriques 21-02-2015 22:16
Sim, a liturgia bem celebrada serve em todo o lado, às vezes é uma questão de hábito. Quando as pessoas aprendem o seu verdadeiro valor e se deixam cativar por ela já não querem outra coisa, sejam brasileiros, portugueses, africanos, alentejanos… :) Nós, cá na Diocese de Coimbra, temos padres brasileiros, vindos da Diocese de Santo Amaro- S.Paulo, Padres da Fraternidade Jesus Salvador. Nos encontros de padres novos, fomos ouvindo um pouco da sua partilha, de como estavam a trabalhar, como se estavam a sentir, como estava a ser a sua adaptação. Ao início, eles estranharam muita coisa. Achavam as pessoas "tristonhas": para além de lhes fazer confusão, por exemplo, o facto de as viúvas vestirem de preto desde a morte do marido até ao fim da vida, também estranhavam uma certa maneira de viver a liturgia. Tentavam, por exemplo, dialogar com as pessoas nas homilias, mas ninguém correspondia… As pessoas não estavam habituadas a isso, mas sim a estar em silêncio na igreja... Mas, num dos últimos encontros, um dos padres confessava que estava rendido à maneira sóbria de celebrar que encontrou, tanto nas paróquias que lhes estão confiadas como nas celebrações solenes da Sé. Também cá temos imenso "lixo" litúrgico e muitos "cânticos" pseudo-animados, mas eu sei que naquelas paróquias se cantam cânticos litúrgicos a sério ("herdeiros" do gregoriano e de conteúdo bíblico-litúrgico). E, na verdade, o coro da catedral de Coimbra está muito bom na qualidade artística mas também na fidelidade ao estilo verdadeiramente litúrgico. E esse padre brasileiro partilhava connosco que, ao início, tinha estranhado essa maneira "acanhada" de estar na igreja, diferente do que ele estava habituado, mas agora estava completamente cativado pelo estilo equilibrado e litúrgico de celebrar e cantar que lá encontrou nas paróquias.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # jayme sobrinho 03-03-2016 07:39
Olá, bom dia com saúde e paz para todos! Não vi publicado o meu comentário, mas mesmo assim estou de volta, dessa vez depois de ler o que o Padre Orlando Henriques escreveu lá em cima... A surpresa da parte de padres brasileiros diante da Liturgia e da participação do povo reflete a confusão que se formou aqui durante a caminhada litúrgica no Brasil. É muita coisa de uma só vez e tudo leva àquela situação típica do rebanho sem pastor. Até parece que alguém disse mas não explicou o caráter de festa que assume a reunião do povo para o encontro com seu Deus, e assim, como festa é festa, tudo o que é mundano pode ser levado para lá. Uma outra intromissão muito frequente ainda é aquela saudação cantada e acompanhada de palmas dentro da celebração, a quem vem de outro comunidade para celebrar. Dizem que tem que fazer acolhida quando na verdade a pessoa que está ali, está para participar do culto e por ser católica, é gente da casa e não visitante. Mistura-se muito as coisas e o pior é que muitos pensam que devem fazê-lo, senão não voltam mais, inclusive aquele que se faz presente ali naquele dia na comunidade. Eu sou católico, graças a Deus e me sinto em casa em qualquer lugar do mundo onde tiver uma igreja católica, preferencialmente aberta. Entro e fico à vontade, não precisa nem dizer o meu nome pois já me sinto feliz por estar ali. Outra é fazer a tal de acolhida: colocar pessoas nas entradas da igreja para dizer "bom dia, boa tarde..." para quem chega. Coisa de protestante que está sempre esperando visita, enquanto nós esperamos gente de casa para celebrar juntos.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 21-02-2015 23:48
Padre, Orlando, vou dar um chute agora, não sei se entra no gol ou se voa para bem longe da trave... Mas penso que se em nossas paróquias as pessoas tivessem uma vida de comunidade bastante sólida, com tudo de humano que isso possa ter (jantares, piqueniques, festas, danças, jogos...), não haveria essa demanda inadequada pela "animação" na missa. Eu tive a imensa graça de ser formada espiritualmente em um movimento fundando pelo venerável padre Luigi Giussani - o Movimento Comunhão e Libertação (CL). E esse carisma nos estimula a nos tornarmos verdadeiramente amigos, para que possamos sempre contar uns com os outros, e ser uns para os outros sustento espiritual apoio material (eventualmente) e testemunhas de Cristo. Então, além da missa, que é o ponto ápice da espiritualidade de qualquer Cristão, as comunidades de CL buscam promover momentos informais de convivência. É comum que frequentem a casa uns dos outros, que após a missa se dirijam a um restaurante para celebrar juntos e conversar, que nas feriados se promovam churrascos, caminhadas em trilhas e outras diversões. São momentos muito animados e, às vezes, muito barulhentos! rsrs Mas nas missas celebradas na comunidade de CL, impera a sobriedade. Mesmo os mais jovenzinhos, os meninos e meninas de 15 a 17 anos, costumam ser bem compenetrados. Então, o que falta para os católicos é dar tempo e espaço para se criar sólidas e agradáveis ocasiões de apertar os laços de amizade, fora da missa. Nesses momentos sim, pode haver grande interação, gargalhadas, danças, descontração etc. Mas quando isso não existe, penso que se tenta criar essa intimidade e alegria de forma artificial, e logo durante a missa. Bem, esse é meu palpite.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Padre Orlando Henriques 23-02-2015 15:34
Sim, acho que esse "chute" acertou em cheio! A verdade é que esse querer encher a Missa de “animação” estapafúrdia começa logo por ser um esquecer que há um tempo para tudo. Se há tantas ocasiões de extravasar, dançar e saltar, porque é que havemos querer fazer isso logo na Missa? E depois é como diz: se o recreio e a diversão forem no contexto da comunidade cristã (embora fora da liturgia, claro) então melhor ainda! Não conheço muito do Movimento Comunhão e Libertação, mas se promove essa familiaridade e amizade na comunidade cristã, então acho que é óptimo. Até porque as paróquias, cheias de cristãos instalados, são, mesmo nos meios rurais (pelo menos falo daqui) lugares onde cada um está por si, não são uma família onde “se um membro sofre todos sofrem com ele”. É preciso combater essa indiferença, como diz o Papa Francisco na mensagem para a Quaresma.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 21-02-2015 01:01
Olá, Padre André! Deus seja louvado pelo seu zelo litúrgico! Sim, as culturas são diferentes, e por isso mesmo São João Paulo II expôs muito bem os critérios de inculturação. Entretanto, muita coisa que estão colocando sob o nome de "inculturação" é, na verdade, pura presepada e afronta a Nosso Senhor Jesus Cristo. Tome um engov e veja o vídeo abaixo, que mostra uma "missa afro" realizada aqui no Brasil: https://www.youtube.com/watch?v=Q72G3rP0fvs Agora compare as trágicas cenas do vídeo do link acima acima com o vídeo abaixo, de uma missa realizada em Angola com toda a dignidade: https://www.youtube.com/watch?v=NxuE5g7JCZE Em algumas culturas, acompanhar a música com palmas é aceitável e digno (desde que o clima geral seja sereno e reverente, e não oba-oba). Isso é muito comum na África e no Brasil. No vídeo acima, as pessoas estão vestidas com muita decência e estão bem compenetradas; não tem ninguém rodando a baiana nem requebrando, como nas lamentáveis “missas afro” aqui do Brasil! Portanto, na China, na África, em Bangu, em Nova Iorque ou em Itapecerica da Serra, a liturgia da missa deve ajudar os fiéis a meditarem o mistério da Cruz. Como disse São João Paulo II, na Ecclesia Eucharistia: “Se a ideia do ‘banquete’ inspira familiaridade, a Igreja nunca cedeu à tentação de banalizar esta ‘intimidade’ com o seu Esposo, recordando-se que Ele é também o seu Senhor e que, embora ‘banquete’, permanece sempre um banquete sacrificial, assinalado com o sangue derramado no Gólgota.” Ou seja, nenhuma variação na celebração, em nenhum lugar do mundo, pode induzir os fiéis a esquecerem que a Missa é BANQUETE SACRIFICIAL. O Cardeal Arinze - africano - já foi enfático ao dizer “A dança é algo estranho ao rito latino da Missa”. Ele também explicou que as tais "danças" que lá na África são eventualmente permitidas nada têm a ver com o conceito de dança ocidental - coregrafias, remelexos etc. São movimentos refinados, muito sutis, nada a ver com a palhaçada que fazem aqui no Brasil em muitas missas, com grupos de danças cafonas e totalmente alheios ao espírito da liturgia católica. Sobre a África, eu gostaria de fazer uma observação importantíssima: essa ideia, tão difundida na mentalidade geral, de que os africanos celebram a missa de forma dançante e descontraída e PURA LENDA. Os bispos africanos, em geral, são muito tradicionais. Meu marido - Alexandre, que também atua aqui no blog - e eu somos catequistas há mais de 12 anos em uma paróquia na Zona Sul do Rio de Janeiro. Todos os anos, recebemos crismandos da África, em especial, de Angola. E TODOS ELES SE DIZEM ESPANTADOS COM AS EXTRAVAGÂNCIAS DAS MISSAS AQUI DO BRASIL. Acham estranhíssimo as pessoas balançando os folhetos no ar, as músicas mega agitadas, o imenso barulho, o som das músicas quase estourando o tímpano, como num show de rock. Eles dizem que as missas lá são realizadas em um clima de muita sobriedade. Detalhe: são africanos que, em geral, não são frequentadores, na África, de missas tridentinas, e sim de missas que seguem o Rito Ordinário. "E eu não ousaria dizer que eles não têm fé". Nem nós. Não estamos julgando ninguém a esse respeito. Sabe, padre, quando eu tinha 15 anos, eu às vezes ia à missa com blusas curtas, que deixavam a barriga de fora. E se alguém me chamava a atenção, eu achava ruim e ficava com raiva. Nesse tempo, eu já tinha muita fé, e o Senhor já agia de forma muito bela no meu coração e na minha vida. Mas que eu estava errada sobre a devida modéstia nos trajes, ah eu estava! E nunca é demais relembrar Padre Pio... Quando perguntaram para Padre Pio de Pietralcina como deveríamos assistir a Santa Missa, ele respondeu que devíamos assistir o Santo Sacrifício da Missa da mesma forma que Maria Santíssima, São João e Maria Madalena assistiram o Sacrifício no Calvário.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # josé alves 20-02-2015 16:25
Estou numa tremenda encrenca! Acabei de participar de um retiro tipo "acampamento" onde as brincadeiras e dinâmicas são constantes, não sou mais um jovem em idade, já pasei dos 40, e mesmo assim fui fazer para "ver como é que era". Minha esposa fizera uma ano antes, e eu fui recepcioná-la na "Missa" de encerramento ("MIssa" entre aspas mesmo), fiquei estuporado com o que presenciei e disse para ela que nunca mais iria participar de uma celebração daquelas. Quando chegou a minha vez de fazer o retiro, eu disse par a coordenação que eu não iria entrar na igreja daquele modo, cheio de danças e coreografias, pulos e gritos, e ainda mais com muitos cânticos protestantes. Quando eu disse que estou numa encrenca é que os coordenadores me disseram: "O padre está celebrando, quem é você para querer ser maior que o padre?". Qual deve ser a minha atitude em relação a isso?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Wagner Toledo 20-02-2015 16:12
A Santa Missa é o Calvário de Cristo, e a Renovação Carismática Católica é o Pentecoste, é preciso distinguir muito bem os dois, a Santa Missa por excelência é infinitamente mais importante que qualquer Grupo de Oração ou qualquer outro evento ou acontecimento neste planeta, enfim devemos nos comportar na santa missa com o maior amor e respeito possível pois no Calvário não havia palmas nem jubilo. Mas o Nosso Rei Jesus Ressuscitou Gloria a Deus.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Emanuel Demétrius 07-01-2015 21:00
Mas diz na bíblia que o rei Davi dançou em 2 Samuel 6:14 ao 18. Penso que na hora de prestar o santo culto ao Senhor Deus devemos nos alegrar. E também está em Eclesiastes 3 que há hora pra tudo, eu li um comentário falando sobre os cultos protestantes, falando mal pra variar, sou católico, mas respeito as diversidades. As vezes penso pessoas fazem igual a Mical, esposa de Davi, a alguém que se alegre na igreja desse modo. (2 Samuel 6:16). Isso é polêmico, as pessoas tendem a defender as coisas que eles acham certos mesmo que preciso for passar por cima de alguém, DETALHE QUE NÃO ESTOU FALANDO QUE ALGUÉM AQUI FEZ ISSO, mas se a igreja recebe melhor a palavra de Deus e o próprio Deus, que mal há? Porque o intuito da igreja não é levar os membros à Deus?
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # A Catequista 08-01-2015 11:03
Emanuel, de modo algum é possível comparar o Santo Sacrifício da Missa com a procissão festiva de Davi com a Arca da Aliança. São coisas completamente diferentes. Já explicamos isso neste post: Eu danço como o Rei Davi? Uma proposta de reflexão para os dançarinos di Zizuiz http://ocatequista.com.br/archives/6573
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Emanuel Demétrius 08-01-2015 16:04
Obrigado pela explicação! Mais uma vez escrevo! Esse site é ótimo! Amei conhece-lo! Parabéns e que vocês continuem sempre assim trazendo mais conhecimento a nós! Abraços!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Emanuel Demétrius 07-01-2015 23:06
Mas eu gostei muito mesmo do site! É bom termos como solucionar nossas dúvidas e vocês são ótimos nisso! Parabéns!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marcelo José dos Anjos 07-11-2014 08:51
Muito obrigado, Flavio. Dei uma olhada no livro aqui e eu gostei muito do material. Espero que, com a graça de Deus, eu possa aproveitar e aplicar todo aquele conteúdo em minha vida. Obrigado, e que Deus o abençoe.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Flavio Garcia 06-11-2014 15:31
Ok amigos...vou enviar ainda hj....Que Cristo seja a nossa luz.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Flavio Garcia 03-11-2014 10:41
Pessoal, recomendo a leitura do livro : "AS EXCELÊNCIAS DA SANTA MISSA" de São Leonardo de Porto Mauricio. Para que fica claro o que é a Santa Missa, para que serve, qual o seu significado e efeito e assim as dúvidas de como se comportar serão sanadas. Espero que quem ainda insiste em fazer folia na Santa Missa, reflita um pouco. Posso enviar por email, pois tenho o livro em pdf...abraço a todos e fiquem na paz de Nosso Senhor.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marcelo José dos Anjos 04-11-2014 17:04
Eu tenho interesse, Flavio! Se puder enviar no meu e-mail: Desde já agradeço.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Gêneto Eugenio 05-11-2014 09:40
Por favor se puder enviar para o meu e-mail... Obrigado Flávio!!!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 03-11-2014 14:06
Obrigada pela excelente sugestão!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Christiane 03-11-2014 08:33
Excelente post, só acrescento que esta atitude de recolhimento, concentração, oração e adoração deve se iniciar desde o momento que a gente põe o pé dentro da Igreja até o momento que saímos. Ontem eu cheguei na Igreja pra Missa e... Meu Deus, um quiquiqui de comadres que eu não consegui nem rezar antes da Missa. E o pior é que o barulho mais alto veio do pessoal da equipe de liturgia, lá no fundo da Igreja, falando alto, parecia que estavam num salão de recepções, rindo e falando alto, coisa horrível! Isso me dói o coração, porque se a gente for falar... a pessoa incha que nem um baiacu, fazendo cara feia e achando que a gente quer dar lição de moral pra aparecer. Misericórdia!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Gabriel Manhães 02-11-2014 16:24
Ótimo post, como sempre! muitos podem seguir em sua arrogância particular de achar que muito agradam a Deus com suas palminhas ritmadas, desobedecendo os documentos da igreja. Mas prefiro permanecer ao lado de Maria Santíssima, São João, Pe Pio e São João Paulo II.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Fernanda Silva Rieger 01-11-2014 14:07
Ótimo Post, realmente sempre notei essa atitude de contemplação e recolhimento do papa durante a missa.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Juliano Fleith 30-10-2014 13:39
A maioria dos católicos é pouco conhecedor da doutrina. Pouquíssimo, de fato, se interessam. A maioria tem uma fé, digamos, flexível; se não está se sentindo bem na católica, troca de igreja, tem pessoas que fazem isso sem o menor sentimento de culpa; simplesmente por procurarem alto ajuda, não pensam na Missa como o Sacrifício do Senhor. Desta forma, entendo que os padres e bispos procurarm ser menos apegados à ortodoxia por medo de um êxodo ainda maior de fiéis; não podemos perder as ovelhas, pois muitas delas são seduzidas pelo canto da sereia dos alegres, festivos e dançantes cultos neopentecostais. Acredito que, num primeiro momento, é importante mantermos os fiéis, instruí-los melhor para, ao longo do tempo, gradualmente, introduzir um maior rigor à doutrina correta na liturgia da Santa Missa. Não sei se essa minha opinião é um sacrilégio ou uma heresia, mas é a forma que avalio a situação. Para encerrar, sou pela opinião do Papa, integralmente.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Alex Hoffmann 28-10-2014 23:34
Quanto as palminhas, dancinhas, balanceios, concordo, a Missa não é lugar. Tem lugar para isto, o salão paroquial, não no interior da Igreja, não na Missa, citando o catequista. Até porque, em um post daqui, li uma resposta que deram a algum comentarista onde dizia:"queria ver se Jesus entrasse porta a dentro da Igreja, no meio de uma Missa, se iria sobrar algum fiel em pé, ou se teria alguém batendo palminha e dando gritinhos pela visita". Eu até acrescento, duvido que ficasse alguém ajoelhado, mais provável, todo mundo de cara no chão, chorando as próprias mazelas produzidas. Sem modéstia alguma, nem preciosismo, mas eu garanto que eu entraria em desespero, iria chorar como criança. Não teve ninguém batendo palmas a cada passo de Jesus no calvário, duvido alguém batendo palmas a cada prego cravado, a menos que fossem os algozes e os farizeus. Os apóstolos todos choraram como criança, um se enforcou pelo que fez desesperado da própria salvação por entregar sangue inocente, outros entraram em paranoia, era bem provável que teve apóstolo embaixo de mesa com medo, tristeza e arrependimento. O único que sobrou ao lado de Nossa Senhora foi João, mesmo assim, com lágrimas! Eu só não entendo como que as pessoas não vêem isto. Mas o povo nem sabe o que significa Jesus Cristo abraçar a cruz, nem sabem a maldição que era a morte de cruz, pois ela era reservada aos ladrões e traidores do império, mas para Jesus, além disso, teve mais um peso, o peso de ser Ele próprio, considerado um amaldiçoado por Deus. Ou por que é que Ele foi crucificado fora da cidade? Para o seu sangue não tocar o solo e fazer com que a cidade ficasse suja com o sangue de um "filho de satanás". Eis a expressão correta, Jesus Cristo, considerado um filho de satanás, que bom que Ele estava sendo condenado, pois após sua morte, duvido que algum seguidor seu iria defender este blasfemador. É mole ou quer mais? Mas defenderam e pregaram os ensinamentos de Jesus, e dentro da cidade que o condenou. Alem do que, não se pregava somente a pessoa no madeiro, mas tudo o que ela era, fez e representava, pois as pessoas da época entendiam assim uma crucificação. E tudo começa com a prisão de Jesus Cristo. Portanto, foi humilhação em cima de humilhação, blasfêmias sobre Blasfêmias. Algum batedor de palminhas ainda tem coragem de defende-las? Pior que ainda assim terá.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rivelino Di 28-10-2014 22:57
Ola pessoal, gosto muito do site e sempre dou uma olhada nas materias. Acho que esse e muitos outros erros acontecem por falta de conhecimento do povo catolico (eu mesmo nao sabia nada sobre as palmas, pois tive uma catequese muito fraca). Quem nao esta instruindo o povo corretamente ou por que grande parte dos catolicos nao conhece bem a sua igreja e o que deveria ser feito para amenizar todos esses erros? Ps: desculpem a falta de acentos, pois meu celular nao tem as opçoes de acentuaçao. /
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-10-2014 11:18
Rivelino, a culpa pela falta de instrução do povo é de boa parte do clero e dos leigos. O que deve ser feito é esse trabalho de formiguinha: padres e catequistas precisam ensinar às pessoas o que é a Santa Missa, porque muitos acham que é simplesmente momento de louvor ou coisa assim. Aliás, já reparou que nas palestras católicas dificilmente o tema "santa missa" é abordado? Parece óbvio que todos já sabem o que é a missa... E infelizmente não é essa a realidade.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lenieverson 29-10-2014 11:37
Creio, Viviane, que na Canção Nova, por exemplo, um dos pouquíssimos, se é que não arrisco dizer os únicod é o Padre Paulo Ricardo e o Padre Demétrio. Ou estou errado?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Matheus 28-10-2014 18:57
Por favor,eu gostaria de fazer d fazer 1 pergunta e uma sugestao p/ o site. A pergunta seria se um catolico que segue realmente os ensinamentos poderia se tornar modelo? E a sugestao seria se vcs poderiam escrever sobre a relacao da Igreja,ao longo da historia,com homossexuais e judeus,e como poderia um homossexual ter uma vida catolica. PS:A pergunta e p/ mim e a sugestao e d 1 amigo meu q e gay,mas a um bom tempo gostaria de se tornar catolico.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 04-11-2014 22:18
Sobre a pergunta de como um homossexual pode viver uma vida católica, eu recomendo ao seu amigo os artigos do site do Apostolado Courage: http://www.couragebrasil.com/p/o-que-e-o-apostolado-coragem-courage.html E também esse vídeo do padre Paulo Ricardo: https://padrepauloricardo.org/episodios/orientacao-a-um-homossexual
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 04-11-2014 22:15
Matheus, a princípio, um fiel católico (moça ou rapaz) pode sim atuar como modelo de passarela ou fotográfico. Mas olha... é preciso muita maturidade para não cair nas ciladas do demônio! Por que, nos dias de hoje, essa profissão não é fácil para um filho de Cristo. Nos bastidores dos desfiles, é comum que as modelos sejam obrigadas a trocar de roupa diante de toda a equipe - e isso inclui também os homens. Também é muito comum ter que desfilar com roupas muito imodestas, que mostram os seios de forma total ou parcial. Então, um modelo católico deve estabelecer, muito claramente, as suas condições antes de de topar um trabalho. Alguém pode pensar: "ah, mas assim fica impossível!". Ora, quem pensa assim tem a fé pequena. Para Deus, nada é impossível! E Jesus disse que devemos buscar primeiro o Reino de Deus e a sua justiça; tudo o mais nos será dado por acréscimo. Acaso Deus vai descumprir suas promessas? Veja o caso da modelo canadense Coco Rocha: ela sempre estabelece, por contrato, que não aceita fazer fotos com nudez parcial ou total. E nem por isso lhe falta trabalho. Saiba mais: http://ffw.com.br/noticias/moda/coco-rocha-elle-brasil-os-dois-lados-da-historia/
Responder | Responder com citação | Citar
0 # adriano 29-10-2014 07:50
Matheus, para entender bem a posição da Igreja a respeito do homossexualismo, é preciso passar por dois pontos, na minha opinião: - A importância da castidade - A importância da dimensão corporal do homem (A teologia do corpo, nas palavras de S. João Paulo II)). Tem muito material sobre esses assuntos, mas um texto muito instrutivo sobre a importância do corpo humano para a Igreja está na Carta Pastoral dos Bispos de Portugal, que o Pe. Orlando uma vez postou aqui. http://www.agencia.ecclesia.pt/noticias/documentos/a-proposito-da-ideologia-do-genero/ O texto não é somente sobre isso, mas no ponto 1. tem uma explicação resumida e precisa sobre esse tema. Leia também essa entrevista: http://www.aleteia.org/pt/sociedade/entrevistas/ser-homossexual-e-um-sofrimento-5718446847295488 Um abraço e depois diga o que você achou dos textos!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 28-10-2014 22:52
Não posso ajudar muito Matheus, mas, a relação da Igreja com cada pessoa, sempre foi respeitosa (veja que respeito não significa se rebaixar dizendo amem para o que os outros falam, mas, afirmando a doutrina de Cristo sempre com coragem. Alguns padres com mais coragem, outros com menos, bispos idem, papas sempre tendo coragem, tirando alguns que foram uma tragédia humana, mas, sem interferir ou renegar qualquer verdade de fé). Contudo aqui você acha alguma coisa com relação aos judeus: http://www.zenit.org/pt/articles/pio-xii-salvou-11-000-judeus-romanos Quanto aos homossexuais, sempre tratado com o devido respeito a pessoa humana, mas o pecado cometido, denunciado com ódio de morte. Contudo ressalto que, todo pecado é tratado com toda a severidade possível, mas o pecador, procura-se sempre a conversão, se o pecador não quer, é por conta dele. Isto fica mais do que evidente na Santa Inquisição, que foi instituída para a conversão dos pecadores, e quantos foram salvos? Aposto que uma legião de pecadores, hereges e até mesmo apostatas. O que o mundo fez foi querer demonizar isto. Mas as mortes provocadas, sempre foram realizadas pelas entidades estatais, sempre foi o estado o responsável pela tortura e morte de supostos hereges. A Igreja viu as barbáries cometidas e colocou a Inquisição para verificar com justiça devida se realmente era ou não verdade as acusações feitas a cada pessoa. Quem provocou caca e jogou nas costas da Igreja Católica as lambanças feitas sempre foram os protestantes. Estes sim, mataram e mataram muito. Tanto que, o holocaustro nazista, descende do protestantismo. O socialismo/comunismo, descende do protestantismo, já tinha o fermento de Voltaire, mas foi aperfeiçoado numa Alemanha dividida fortemente, e Karl Marx foi filho de protestante, apostasiou de vez, tornou-se ateu, e fez a lambança geral. Lênin, Stálin, Che Guevara, Fidel Castro, Mao e todo regime comunista, inclusive o fascismo, descende do protestantismo. E a Igreja Católica, se fosse assim tão má, teria acabado com a coisa na raiz.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Católico Romano 28-10-2014 18:22
Os católicos que adquirem alguma sensibilidade acerca do que ocorre no altar durante a Santa Missa, estes são capazes de seguir, sem problemas, o padrão de comportamento razoável exigido diante do Corpo do Senhor. Todavia, os católicos brasileiros são, infelizmente, em sua maioria, seguidores de "tendências", e uma postura mais séria e modesta parece estranha ao nosso vocabulário. As homilias seriam um ótimo momento para se ensinar o povo... mas parece que, quanto mais buscamos, menos aprendemos. O problema não está somente no "oba-oba" que parte dos fiéis: ele se torna maior - e mais grave - quando o próprio sacerdote não respeita as normas litúrgicas, e acrescenta elementos duvidosos à Santa Missa. Falo por experiência própria, pois frequentei durante um bom tempo uma paróquia nestas condições: migrei para outra por uma questão de bom senso. Os paroquianos adquiriram uma visão deveras antropocêntrica da fé, de tal modo que não era possível permanecer naquele local e ser um bom católico. Existem erros grosseiros passando invictos aos olhos de nossos prelados, sem que nenhuma medida seja tomada... não é estranho que, em cada paróquia, se tenha a impressão de que se celebra uma missa "diferente"; o sentido de universalidade do sacrifício incruento perdeu o seu valor. Mas como os exemplos arrastam multidões, rezemos para que o zelo de nosso doce e amado Papa seja seguido pelos nossos bispos e sacerdotes. Quanto à "animação", não sou contra; o problema é quando ela se estende para momentos e espaços inadequados. A Missa não é salão de dança, baile ou festa... se um determinado grupo deseja algo menos formal, que o faça em um ambiente próprio, sem pretensões litúrgicas. Pax Domini!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cecília Uchôas 28-10-2014 17:35
Tivemos um Padre que por 15 anos rezou a Missa com mta seriedade, agora, temos um Padre que canta, bate palmas, louva o Senhor com alegria. A comunidade parece engessada; disse ele.Já nem sei o que pensar sobre isso... Só sei que o Deus que eu conheço é meu amigo e eu O amo de todo meu coração. Esse Deus em quem confio, não deixarei que alguém O tire de mim.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Timicela Nhassengo 28-10-2014 17:09
Ola, tudo bem? Primeira vez que comento, sou cristão católico apostólico Romano da Arquidiocese de Maputo, Moçambique. E assim eu sou acolito aqui e nao e bem uma resposta e nao e imitar os protestantes. Isso e algo que foi aceite pelo vaticano chama-se aculturacao da santa missa cada povo pode por a sua cultura nos cânticos... Por exemplo aqui nos também dançamos no gloria na accao de gracas nas procissões de entrada e saída mais na comunhão no Santo nos não dançamos pois são momentos que implicam grande reflexão da parte do cristão... Obrigado voces sao verdadeiros catequistas viu gosto muito das vossas publicacoes
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 28-10-2014 17:39
Oi, Timicela! Obrigada por comentar pela 1a vez! Bem, o conceito de "inculturação" é muito mal compreendido por boa parte dos fiéis. Claro que a Igreja tem grande capacidade e flexibilidade para se adaptar e absorver elementos da cultura local, mas, ATENÇÃO: somente aqueles elementos que não contrariam nem colocam obstáculos à correta evangelização. Por exemplo, aqui onde moro, no Rio de Janeiro, muitas pessoas amam samba e funk. Ora, seria realmente uma tragédia litúrgica se a nossa Arquidiocese passasse a permitir que tais ritmos fossem utilizados nos cantos da missa. Então, é preciso muito critério. Na África, o Cardeal Arinze já pontuou que são permitidos movimentos singelos, NÃO DANÇAS. Sobre isso, já publicamos um post: http://ocatequista.com.br/archives/5571 Veja esse belíssimo exemplo de uma procissão de entrada em uma missa campal em Angola (as pessoas entram fazendo um movimento singelo de corpo, mas não dançam): https://www.youtube.com/watch?v=pkeBpVn0BMA
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Timicela Nhassengo 07-11-2014 16:20
E exatamente isso que eu queria dizer movimento singelo do corpo..... Funk e Samba na missa :D :D morri..................
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Mariane 28-10-2014 15:38
Também fiquei com dúvidas, pois o próprio papa nos diz para sermos cristãos alegres e essa parte da missa é alegre, estamos dando gloria!!! Não digo ficar pulando, mas as palmas e soltar aquele canto que desde o começo da missa fica reprimido.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 28-10-2014 16:11
Mariane, nos cantos mais alegres da missa, como o glória, pode-se bater palmas, sim. Veja o exemplo muito digno de uma missa campal em Angola, que apresentamos neste post: http://ocatequista.com.br/archives/13571 O problema é que, em geral, não se fica só nas palmas. O povo quer dançar, pular, fazer passinho de lá pra cá... Aí fica parecendo culto protestante neopentecostal.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marta 28-10-2014 15:37
Bate-se palmas à exposição do Santíssimo?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 28-10-2014 16:09
Não é apropriado. Jesus não é artista para receber palmas. Pode-se fazer homenagens mais singelas, como jogar pétalas de flores no ostensório quando o Santíssimo sai em procissão. É claro, quem bate palmas para o Santíssimo não faz isso por maldade, mas por desconhecimento do que é mais apropriado.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # José dos reis 28-10-2014 14:55
Faz muito tempo que percebo essa atitude do papa. Brincalhão e sempre sorridente. Não hora da missa ele fica numa profunda concentração durante toda a santa MISSA.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # HELBERT ÓTICA CATÓLICA 28-10-2014 13:26
tenho minhas duvidas sobre isso, e se fosse jesus como ele se comportaria??? sera que ele realmente, se ofende??? que o Espirito Santo nos ilumine...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 28-10-2014 16:05
Se tem suas dúvidas, então estude o que dizem os santos e os documentos da Igreja para esclarecê-las. Certamente Jesus releva as pessoas que fazem da missa uma micareta, mas que não foram devidamente instruídas, e assim o fazem por ignorância. Mas como serão isentos de culpa aqueles que, tendo sido alertados e instruídos, teimam em seu orgulho e mundanismo, e insistem em fazer do templo de Deus uma casa de diversão, às vezes até um circo? Leia a encíclica que linkamos de São João Paulo II, a Ecclesia Eucharistia. Ela pode ajudar a abrir seus olhos. E, pelo amor de Deus, ouçam a voz dos santos! Quando perguntaram para Padre Pio de Pietralcina como deveríamos assistir a Santa Missa, ele respondeu que devíamos assistir o Santo Sacrifício da Missa da mesma forma que Maria Santíssima, São João e Maria Madalena assistiram o Sacrifício no Calvário.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lucas Farias 29-10-2014 19:18
Quem quiser que discorde, mas eu fico com a opinião do Pe. Pio.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Carmita Proença da Silva 28-10-2014 13:16
Não sei se tem documentos,mas missa tem 5letras, festa também. Por isso a missa deve ser festiva. Com certeza, momentos de silêncio são necessários. Imprescindíveis.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Fabio Nascimento 30-10-2014 16:42
Morte tbm tem 5 letras. Louco tbm tem 5 letras. Merda tbm tem 5 letras.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Higor 30-10-2014 10:27
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Melhor argumento que vi até hoje, Missa e Festa tem 5 letras, meu Senhor até onde vai a criatividade do ser humano kkkkkkk
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lenieverson 28-10-2014 20:56
É a primeira vez que vejo alguém argumentar assim, "se missa tem 5 letras e festa também, logo...", Viviane. kkkk. Mas, falando Na filosofia, como alguns aqui devem saber, isso se chama silogismo, duas premissas e uma conclusão. Só que esse silogismo não tem lógica, do ponto de vista doutrinal.A Missa, para mim, mas baseado na doutrina, é o momento onde se atualiza o sacrifício de Cristo na Cruz. E em sinal de respeito, recolhimento e adoração, nós devemos ficar em silêncio. Abraço as duas.Fiquem com Deus. :)
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # A Catequista 28-10-2014 16:00
Carmita, que tipo de argumento tosco é esse? "missa tem 5 letras, festa também..." E daí? Pelo amor de Deus, estamos falando da ATUALIZAÇÃO do sacrifício de Cristo. Leia a Encíclica Ecclesia Eucharistia, em que São João Paulo II diz que missa é baquete sim, mas "banquete sacrificial". E - complementa ele - não podemos abusar da intimidade com Jesus na missa.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Karol Cantanhede 28-10-2014 12:56
André, vi tua pergunta. Essa coisa de sobriedade na missa e recolhimento é uma atitude que devemos adotar cada vez mais, a gente presta até mais atenção na missa e nas músicas nesse modo. Estou tentando adotar cada vez mais isso, é muito dificil, mas dizem que as palmas não devem ser colocadas de momento algum na missa, nas palavras do nosso Papa Emérito, o Bento XVI. E sim, a atitude levantar as mãos no glória é a melhor coisa que você faz e de quebra você ainda evita de bater palmas nessa hora, além de que você presta mais atenção em quem se deve de fato prestar atenção, culto, louvor e adoração: a Deus.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Larissa 28-10-2014 12:20
Bom achei ótimo esse post, mas ainda ficou uma dúvida (a mesma do andré do comentário acima)... O ato de só erguer as mãos naquele momento (sem se requebrar) e dirigindo palavras de glória a Deus é aceitável, ou o nosso louvor na missa deve se dar através do nosso silêncio e recolhimento? Obrigada, Deus abençoe e ilumine sempre vocês!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Wendel Rodrigues 28-10-2014 12:18
"Ah, mas a cultura europeia é diferente." Peraí, mas o Papa é argentino! O.o rsrs
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Kelvin 28-10-2014 12:09
Na minha humilde opinião, as palmas, os braços levantados e agitados, ainda que não sejam litúrgicos, não deveriam receber um oposição. Claro que exageros como pular, berrar, dançar é algo estranho ao ambiente contemplativo que a Santa Missa sugere. Estamos passando por uma transformação da nossa Igreja e do modo de Evangelizar. O último Salmo, Salmo 150: "louvem a Deus no seu TEMPLO, com dança e tambor, cordas e flautas, címbalos SONOROS E VIBRANTES". Gestos efusivos desviam a atenção dos outros fiéis. Porém, se todos ali batem palmas e levantam os braços, onde está o mal nisso? O Papa tem o jeito DELE, celebrar e curtir a missa, se quer imitá-lo, ótimo, mas, eu sinceramente penso que, sem exageros, cada um participa da missa ao seu gosto.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Padre Orlando Henriques 29-10-2014 13:05
O Salmo diz que os címbalos é que são "sonoros e retumbantes", e não os fiéis nem os seus gestos. O som do órgão, tocado de uma forma perfeitamente litúrgica, pode bem ser (e, por vezes, é mesmo muito!) "sonoro e retumbante", especialmente se for usada uma registação cheia e/ou com registos de palheta. Existem, em especial nos órgãos ibéricos (órgãos que ainda tocam e que são dos séc. XVI, XVII, XVIII, em plenos tempos da liturgia exclusivamente tridentina e sem "modernices"), têm algumas palhetas por vezes bem extridentes, algumas que até fazem mesmo um som semelhante ao grasnar dos gansos! E tudo isso o bom organista sabe utilizar de forma a ajudar as pessoas a rezar, a exultar com júbilo, etc., sem nunca destoar do ambiente solene, respeitoso e moderado que se quer numa celebração litúrgica.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Gêneto Eugenio 29-10-2014 10:26
Pertencemos a Igreja e não o contrário... "Eu sou a videira e vocês são os ramos" não é isso que aprendemos, então dizer que "cada um participa da missa a seu gosto" não é coisa de CATÓLICO ao menos os querem obedecer o santo Magistério e a Sagrada Tradição. Não é uma questão de jeito de um ou de outro é o que nos pede documentalmente a IGREJA, se ocorre má interpretações, as mesmas tem de ser corrigidas. O lindo Salmo citado, convenhamos, não se aplica a SANTA MISSA.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # EDSON RODRIGO 30-10-2014 14:11
Se não se aplica a missa, aonde se aplica o salmo?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 30-10-2014 14:32
Edson, eu não sei se tá muito difícil sacar que na época em que os salmos foram escritos não havia missa... Então, é obvio que o salmo se refere a ritos judaicos existentes até então, ritos esses que estavam muito longe de se equipararem ao banquete sacrificial da Santa Missa, onde o Calvário se atualiza diante de nós de modo substancial, real e místico.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel Penha 28-10-2014 11:18
Bom dia! Primeiro quero dizer que gosto muito do site, muito legal a iniciativa de explicar as coisas com uma linguagem mais simples!! Mas sobre o canto do Glória, olha o que o estudo 79 da CNBB diz sobre ele: 3.4.4.2. Quando a música é o rito 286. Há momentos na celebração em que tudo o que se tem para fazer é tocar, cantar e dançar. A música então é o próprio rito (por exemplo, o pedido de perdão no Ato Penitencial, o Sinal-da-Cruz, o Glória, a Profissão de Fé, o Prefácio, o Santo, as Aclamações, o Cordeiro, a Bênção final com a Despedida...). É claro que esses momentos vão necessitar de especial intuição e esmero dos artistas, mas também dos animadores do canto da assembléia e de quem preside. 287. Um belo arranjo instrumental, um canto brilhante e uma rica coreografia poderão provocar, nesses momentos, verdadeiras apoteoses, como no caso do Glória, da Aclamação ao Evangelho e das grandes Aclamações Eucarísticas; ou então profunda meditação e interiorização, como no caso do Salmo Responsorial ou de um canto após a Comunhão.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 28-10-2014 19:11
Daniel, O texto que você destacou desse "estudo 79" da CNBB é uma lástima, pois está em desacordo com a Tradição litúrgica católica e contraria tudo o que os santos e papas sempre ensinaram sobre a missa. Não se trata propriamente de um "documento" da CNBB. Os documentos da CNBB são aqueles livrinhos azuis que passaram pelo crivo e aprovação da Santa Sé. Já esse "A Música litúrgica no Brasil - estudo 79" é apenas isso: um estudo. Um estudo, aliás, altamente contestável. Já publicamos alguns posts sobre a dança na missa: “Se você quer admirar uma dança, sabe aonde ir… Mas não na Missa!” (Cardeal Arinze) http://ocatequista.com.br/archives/5571 Eu danço como o Rei Davi? Uma proposta de reflexão para os dançarinos di Zizuiz http://ocatequista.com.br/archives/6573 Quem critica a dança na Missa é intolerante, obscuro e hipócrita, diz leitora http://ocatequista.com.br/archives/6657
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel Penha 30-10-2014 10:41
Acho que esse é um problema difícil de ser resolvido, já que o caminhar da missa (ou celebração da palavra) depende muito de quem a preside. Na minha paróquia por exemplo os dois padres que temos são mais "sóbrios" podemos dizer rsrs, mas como somos uma paróquia de 12(!) comunidades, temos muitos ministros da palavra, e cada um faz de um jeito diferente.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Fabão 28-10-2014 18:45
Daniel, No que diz respeito à Liturgia, eu não confio na CNBB. Se quiser conhecer o que a Igreja fala, leia a Instrução Geral do Missal Romano, o Catecismo e a constituição Sacrossanctum Concilium, do Vaticano II. Paz e Bem!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # André 28-10-2014 10:15
Bom dia! Gostei bastante do texto mas tenho algumas dúvidas: As palmas não devem ocorrer em momento algum da missa? O "erguer as mãos" durante o glória também é inaceitável? Não querendo duvidar, mas existem documentos da Igreja que deixam isso explicito ? Gosto de ter em mãos publicações da Santa Igreja em relação à esses assuntos duvidosos e pertinentes. Desde já, agradeço =] Aprendo muito com vocês...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 28-10-2014 18:53
André, sobre as palmas na missa, já publicamos um post: São João XXIII: “Não batam palmas na igreja, nem mesmo para saudar o Papa” http://ocatequista.com.br/archives/13571 Nesse post, explicamos que a liturgia prevê as palmas em alguns momentos muito específicos - como na acolhida de um neobatizado. Também é possível bater palmas, fora da Quaresma, não para aplaudir ninguém, mas para acompanhar o ritmo da música mais alegre. E tais palmas não devem levar a pessoa a se empolgar, levando-a a dançar e requebrar. Tudo deve ser muito sereno e sóbrio. Falando em sobriedade, erguer as mãos discretamente durante o glória é aceitável, mas não como faria um crente em um culto neopentecostal, com os braços completamente esticados para o alto e sacolejando. Os gesto de um católico na missa devem ser SÓBRIOS. Quanto ao documento da Igreja que deixa isso explícito, nós já indicamos: Encíclica Ecclesia Eucharistia. Toda ela é interessante, pois São João Paulo II destaca que a missa é BANQUETE SACRIFICIAL, e por isso não podemos, dentro do rito, abusar de nossa intimidade com Cristo. Ora, o que ele nos pede, então? Sobriedade. Repare que o trecho que dela destacamos fala de SILÊNCIO: “O sacerdote, que celebra fielmente a Missa segundo as normas litúrgicas, e a comunidade, que às mesmas adere, demonstram DE MODO SILENCIOSO MAS EXPRESSIVO o seu amor à Igreja.” É óbvio que silêncio não se faz só com a língua, mas com o nosso gestual. Toda a nossa postura na missa deve ser discreta e silenciosa. Abraço!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel Penha 30-10-2014 10:43
Sobre as palmas deveriam ter um mandamento assim: NÃO BATERÁS PALMAS FORA DO TEMPO. Risco de levar os músicos a loucura rsrsrsrs
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Higor 28-10-2014 10:10
Puts, precisava saber dessa diferença das celebrações da morte e ressurreição do Senhor na Santa Missa, sempre que argumentava quanto as "festas", os padres, seminaristas ou então leigos "entendidos da liturgia" diziam que a Missa não era só sacrifício, mas era também o nascimento, a ressurreição de Jesus e por isso deveríamos estar animados (no sentido de músicas exaltadas, palmas, gestos, nada de sobriedade). Ainda usavam aquela passagem: Que se Jesus não ressuscitou, vã é nossa fé! Pois é, no contexto deles, durante "1970" anos Jesus não ressuscitou, só depois que começaram a estragar a Santa Missa. Muito obrigado por esse esclarecimento, ótima matéria!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marcelo José dos Anjos 28-10-2014 09:47
O problema aqui é que muita gente tem muito forte um 'espírito carismático' onde pular, bater palmas e se agitar faz parte da mística tanto quanto a leitura e a pregação são fundamentais. Daí chegar na Santa Missa e ficar quieto e em silêncio é algo que não parece possível. Infelizmente, somos poucos que conhecem e sabem o quanto isso é desnecessário. Rezemos para que as pessoas comecem a olhar e se espelhar no Papitcho nestas questões.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Gêneto Eugenio 28-10-2014 08:26
Ontem li um comentário no post anterior(sobre o sínodo) que a princípio me pareceu plausível;então hoje esse post e a matéria linkada da Veritatis graças a Deus me tira esse tormento. O comentário se posiciona no sentido de que o Papa Francisco pertence a uma nova geração de Papas que não vivenciou a "velha igreja" por isso apesar de ser conservador teria a tendência de aceitar novos "projetos" para a Igreja. Pensar assim é realmente uma falta de Fé, como também me ocorreu e me atormentou como disse acima...Os gestos, mencionados do Papa, demonstram claramente o conhecimento imutável que detêm a Santa Igreja Católica e somente a má interpretação de tudo que já nos foi deixado nos tiraria do Caminho. O Virgem Santíssima, mãe do Nosso Senhor Jesus Cristo e nossa Mãe, que o seu silêncio e firmeza seja exemplo para nós e retire as tantas dúvidas que hoje nos enche o coração...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 28-10-2014 08:15
Isto ocorre muitas vezes porque tem católicos que tem a mania de querer imitar os protestantes em tudo, se não cantando canções protestante, mas se sacudindo, dando pulinhos, se agitando e batendo palmas, como se a igreja fosse teatro ou casa de espetáculos para bater palma o tempo inteiro. Só espero que na igreja não venha acontecer como estes aloprados protestantes: https://www.youtube.com/watch?v=E-kKwLTNj-Q, porque se eu entrar em uma igreja e encontrar algo disto, eu dou meia volta, e nem que tenha que caminhar dias e quilômetros para encontrar outra igreja, porque nesta não colocaria mais os pés.
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade