Publicidade
Segunda, 29 Janeiro 2018 13:54

O padre e as prostitutas - Um forte testemunho de amor cristão

Postado por

Alguém já ouviu falar em feministas indo viver na África, para socorrer as prostitutas mais pobres? Eu, nunca! Mas na Igreja Católica, há padres e religiosas que se dedicam a esse nobre serviço.

Imitando Jesus Cristo, que se sentava para comer e conversar com as prostitutas, Padre Hermann, um missionário alemão, doou a sua vida a essas mulheres marginalizadas. Com sua ajuda, milhares de mulheres já mudaram de vida.

Ele atuou por muitos anos na cidade de Katatua, na Namíbia (África). Nessa reportagem fotográfica, vemos um pouco da história de Pe. Hermann e de suas “filhas” em Cristo.

As fotos são de Christian Bobst, um fotógrafo suíço, e foram tiradas entre 2008 e 2017. A reportagem é de Mauricio Artieda, para o site Catholic Link.

O PADRE HERMANN

O Pe. Hermann visita frequentemente as mulheres, para ver se precisam de ajuda. No início não foi fácil que confiassem nele, mas pouco a pouco ele se tornou um pai para elas.

Ele fundou um refúgio em Katutura, onde essas mulheres e seus filhos podem passar momentos de descanso, receber alimentos básicos e encontrar uma comunidade de apoio emocional e espiritual.

O REFÚGIO

Nesta imagem, Pe. Hermann entrega leite em pó para impedir que estas mulheres amamentem seus filhos. Assim, elas não passarão o vírus da AIDS para eles.

Além disso, o Pe. Hermann recebe doações semanais de roupas usadas, e as distribui. A caderneta do sacerdote é famosa: é um homem muito organizado e sabe perfeitamente quem precisa do que, quanto e quando.

É importante dizer que muitas mulheres se aproveitam de sua condição de vítimas e se aproveitam da generosidade do Pe. Hermann e de sua instituição.

FÉ, AMOR E ESPERANÇA

Todas as mulheres do refúgio ganham uma Bíblia. A AIDS faz com que muitas delas percam a esperança, e a palavra de Deus as ajuda.

Nesta foto, Pe. Hermann consola uma mulher que sofre de depressão severa, depois de perder um de seus filhos. Muitas prostitutas sofrem de depressão severa e pensamentos suicidas, especialmente quando contraem AIDS.

IRENE, CECÍLIA E MARIA     

Irene, Cecilia e María foram vendidas por sua mãe, que era alcoolatra. A foto foi tirada em 2008. Depois da morte de Irene, em 2010, Cecilia e María denunciaram sua mãe, que foi presa.

ALEXIA

Quando tinha apenas 13 anos, Alexia foi estuprada por seu pai, e ficou grávida. No momento do crime, a mãe estava no hospital. Ela não suportou a notícia e morreu um dia depois que a filha lhe contou tudo. A família culpou Alexia pela morte da mãe e a expulsou de casa. 

HANNA

Pe. Hermann conforta Hanna, de 37 anos. Ela nunca conheceu sua mãe nem seu pai. Não tem estudos. Se tornou prostituta aos 16 anos. Há alguns anos, uns chineses lhe prometeram uma vida melhor, e pagaram por todos os documentos para sua mudança para a China. O padre, porém, a convenceu a permanecer em Katutura, evitando o pior para a sua vida.

UM PADRE QUE CARREGA A SUA CRUZ

Pe. Hermann descansa em seu apartamento de Pioneers Park. Se sente constantemente cansado e tonto, pois sofre de atrofia cerebral e diabetes. Nos últimos anos, suas forças decaíram consideravelmente. Até mesmo manter sua própria casa arrumada é muito difícil.

O FIM DA OBRA

Em 2015 o refúgio teve que fechar. Pe. Hermann estava muito doente, e a Igreja Católica local não tinha recursos suficientes (“não tinha interesse”, segundo Christian Bobst) para manter o seu trabalho.

Às vezes as mulheres que eram do refúgio visitam Pe. Hermann no hospital católico de Windhoek, onde ele agora vive. E então ele se sente o homem mais feliz do mundo. 

Pe. Hermann Klein-Hitpass dedicou sua vida para amar os mais pobres entre os pobres. Ele não é um homem de temperamento fácil, e sabe disso. No início de seu trabalho, teve dificuldades com as autoridades, especialmente para abrir o refúgio de Katutura. Seu caráter “forte” e sua teimosia magoaram algumas pessoas. Mas nada disso tira a bondade de seu coração e o amor com que ele abraçou a tantas mulheres que tinham perdido a fé em Deus e em si mesmas.

1167 Segunda, 29 Janeiro 2018 18:02

Comentários   

-1 # Cristiane Bittencour 31-01-2018 22:44
Só não entendi o porquê de no início de uma história tão comovente, sempre tem que haver uma injustiça ou difamação, estou me referindo a citarem feministas nesse texto pois não temos nada a ver com essa situação triste dessas mulheres e além disso, nós feministas somos responsáveis por muitos avanços positivos na vida das mulheres! Não sejam juízes e fofoqueiros!
Responder | Responder com citação | Citar
+2 # A Catequista 02-02-2018 13:48
Oi, Cristiane! O tema é bem amplo e complexo, então nem vou me iludir de que vou fazer você mudar de ideia com algumas palavras nesta resposta. O fato é que o movimento feminista não trata somente de defender as mulheres contra o machismo e de lutar pela igualdade de dignidade social, política e econômica entre homens e mulheres. Por trás desse discurso, está um projeto marxista de destruição da família.

Bem, ficamos devendo um curso sobre feminismo aqui no site (provavelmente vamos disponibilizar em um futuro breve, para os nossos apoiadores).
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Sidnei 02-02-2018 10:10
Cristiane, acredito que o pessoal do Catequista não quis generalizar, acredito que o foco não foi o movimento feminista em geral, mas a mais radical, aquela que não quer acabar com as injustiças contra as mulheres, e neste campo, muito já foi feito, porém, há aquelas que querem, porque querem, que a mulheres não só tenham os mesmos direitos dos homens, mas muitas querem ser superiores aos homens, e querem direitos absurdos como a liberação do aborto, e que a sociedade se molde com o pensamento do mundo, o que para um cristão é impossível, já que o pensamento do mundo e o de DEUS, são antagônicos e todos e qualquer movimento, seja feministas, machista, anarquista, comunista e até cristão, que queira se associar aos pensamentos do mundo com os cristãos, terão que escolher o mundo ou DEUS, os desejos da carne ou do ESPÍRITO (Gal. 5, 16-23)
Responder | Responder com citação | Citar
+2 # A Catequista 02-02-2018 13:46
Não, Sidnei, nós não falamos somente do feminismo radical, mas de TODO o movimento feminista contemporâneo. Ele é todo envenenado pela agenda marxista, ainda que algumas pessoas cristãs de boa vontade o apoiem, e não estejam devidamente informadas sobre a essência nefasta do movimento.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Sidnei 31-01-2018 10:09
"Em 2015 o refúgio teve que fechar. Pe. Hermann estava muito doente, e a Igreja Católica local não tinha recursos suficientes (“não tinha interesse”, segundo Christian Bobst) para manter o seu trabalho."

Este mundo nunca terá jeito, enquanto tem 1 que puxa para frente, tem 10 que puxam para trás.
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade