Publicidade
Segunda, 30 Novembro -0001 00:00

Oração em línguas deu medinho no Papa

Postado por

Em 1981, nos jardins do Vaticano, São João Paulo II tomou um susto. O pessoal da RCC tava empolgado numa cantoria e, de repente, começou um burburinho estranho... Adiante o vídeo abaixo até os 3:40 min. e note os zóim arregalados, a na carinha hilária de “Valei-me, Jesus Cristinho!” do JP II:

Que o santo não achou a tal “oração em línguas” nada normal, ah isso não achou mesmo. Agora, o que ele pensou sobre o evento, ninguém sabe. Fica ao gosto de cada um interpretar a sua reação.

Muitos leitores têm pedido a nossa opinião sobre aquilo que os carismáticos chamam de oração em línguas. Bem, tudo o que temos pra dar é só isso mesmo: uma mera opinião, já que o Magistério da Igreja jamais se pronunciou sobre o assunto.

Não vou enrolar: eu não creio que a oração em línguas seja um dom carismático, não creio que seja uma oração impulsionada pelo Espírito Santo. Não vejo ali mais do que mera autossugestão: a pessoa entra no barato, na onda do grupo, e se convence de que está num semi-transe.

O QUE É ORAÇÃO EM LÍNGUAS?

Em primeiro lugar, vamos entender o que é a tal oração em línguas. Bem, vou tomar os conceitos dados pelo Pe. Paulo Ricardo em seu curso sobre os dons carismáticos:

  • é uma oração feita com palavras que ninguém entende;
  • não é um fenômeno milagroso;
  • é um dom carismático;
  • “é êxtase, mas não êxtase no sentido técnico da palavra: a pessoa não está fora de si (...). Ela pode iniciar ou parar quando ela quiser”;
  • é a oração da qual fala São Paulo fala em I Coríntios 14;
  • é diferente do fenômeno que o ocorreu com os Apóstolos em Pentecostes, que falaram e todos entenderam.

O QUE DIZ A BÍBLIA?

O Pe. Paulo Ricardo afirma que a oração em línguas é um fenômeno autêntico. Além de I Coríntios 14, ele cita um trecho da Carta de São Paulo aos Romanos:

“...o Espírito vem em auxílio da nossa fraqueza, pois nem sabemos o que nos convém pedir; mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inefáveis.”

- Rom 8,26

Segundo a interpretação dele, os tais “gemidos inefáveis” citados na Bíblia seriam justamente as sílabas desconexas que são proferidas durante a oração em línguas. Hummm... não me convenceu.

Mas partindo do princípio de que a interpretação do Pe. Paulo Ricardo sobre I Coríntios 14 esteja correta, é preciso dizer que boa parte dos Grupos de Oração a realiza em desacordo com as orientações de São Paulo. Afinal, o Apóstolo dos Gentios diz que, numa assembleia, se todos começarem a orar em línguas ao mesmo tempo, vão parecer um bando de doidos, e não vão ajudar ninguém com isso.

Ora, mas em muitos Grupos de Oração, parece que, quanto mais gente fazendo aquele burburinho do Shalaridrim ao mesmo tempo, melhor!

“São Paulo deixa intuir que isso é uma realidade mais privada, mais pessoal. Portanto, é algo um pouco inadequado para assembleias. Vamos ser honestos: eu sei que isso destoa com a prática da Renovação Carismática (...). São Paulo diz claramente que nas assembleias diz que é melhor falar uma língua que se entenda do que ficar falando em línguas. Acho que ninguém pode negar isso. Por isso, o uso do dom de línguas poderia ser um pouco mais contido e um pouco mais restringido.”

- Pe. Paulo Ricardo

Por isso, em seu curso, o Pe. Paulo Ricardo aponta para a existência de “exageros de uma certa expressão histérica, de uma histeria coletiva que não é boa, porque quando eu crio uma histeria coletiva, você vê claramente que Deus não está no centro”.

O QUE DIZ A TRADIÇÃO DA IGREJA?

Nos textos da Tradição, até onde sei, não há nenhuma linha sequer fazendo referência à oração em línguas da forma que a RCC ensina. Ao menos não de forma positiva...

Os primeiros Padres criticam pessoas que pronunciam coisas “estranhas” e “sem sentido” como se estivessem num tipo de êxtase. Entre eles, estão Santo Irineu (século II), Eusébio de Cesareia e Orígenes (ambos do século III). Sempre que se referem ao dom de línguas, os Padres da Igreja primitiva e os doutores da Igreja sempre se referem à capacidade da falar idiomas estrangeiros. Nunca falam em nada parecido com a pronúncia de sílabas desconexas.

Se a oração em línguas como é feita hoje era um fenômeno comum nos tempos da Igreja primitiva, porque os primeiros Padres parecem não conhecê-lo? Ou, se o conhecem, o desaprovam, como sendo coisa de farsantes ou hereges?

Pe. Paulo Ricardo afirma que o carisma da oração em línguas está atestando biblicamente e está atestado na vida dos santos. Será? Isso é muito controverso, já que se trata de uma interpretação pessoal da Bíblia, não confirmada pela interpretação de nenhum santo, grande teólogo ou Papa. E, quanto à vida dos santos, Pe. Paulo cita um único caso: o depoimento de um Frei dizendo que viu São Francisco de Assis fazendo barulho como um pássaro. Forçou a barra, hein?

Isso tudo me parece muito frágil para atestar qualquer coisa.

POR QUAL RAZÃO DEUS DARIA ESSE DOM?

Depois de ressaltar que Deus não cabe em nossos conceitos, o Pe. Paulo Ricardo parece relacionar o “dom” da oração em línguas a pessoas mais emocionalistas, menos propensas a abraçar a fé por amor à doutrina. Então, ele sugere que esse “dom” é uma consolação do Espírito Santo para sustentar essas pessoas e no início de sua caminhada.

Então, seria uma coisa boa, porque a pessoa sente uma emoção especial quando ora, e assim seria motivada a perseverar na fé a progredir espiritualmente.

COMO SE FAZ PARA ORAR EM LÍNGUAS?

Para começar a orar em línguas, a pessoa, com a sua própria vontade, abre a boca e começa a falar umas sílabas desconexas. A partir daí, a expectativa é que o Espírito Santo conduza o processo, e inspire a pessoa a emitir os sons.

Eu aprendi, saca só:

Ahhhhhh, lele-lek-lek-lek...

POR QUE NÃO ACREDITO NA ORAÇÃO EM LÍNGUAS PREGADA PELA RCC?

Vou listar as razões:

  • quando ensinou os discípulos a orar, Jesus não citou a oração em línguas;
  • não há base bíblica irrefutável para afirmar que essa oração alguma vez tenha se manifestado na comunidade cristã;
  • nenhum dos primeiros Padres cita esse tipo de oração como dom do Espírito;
  • ao que parece, nenhum santo jamais revelou orar em línguas;
  • fenômenos de autossugestão são comuns em quase todas as religiões.

Em suma: não há base bíblica comprovada, não há base na Tradição, não há sustentação no Magistério da Igreja, não há relatos incontestáveis vida dos santos. Que razão teria eu para acreditar nisso?

Enfim, se você acredita na oração em línguas na forma como é pregada pela RCC, ok. Como já dissemos, o Magistério jamais se pronunciou sobre assunto, então cada um pode pensar o que bem entender. E eu penso assim.

E, antes que alguém pense que tenho alguma coisa contra a RCC, digo como São João Paulo II: “Vida longa aos carismáticos!”. Nem toda crítica é sinônimo de ataque, mas pode partir do apreço e do desejo de maior aperfeiçoamento do objeto criticado.

8127 Domingo, 27 Agosto 2017 18:25

Comentários   

+2 # Vinicius 30-08-2017 18:12
Acredito que, de tanto querer evangelizar acaba cometendo algumas heresias e permitindo que o protestantismo entre um pouco em sua cabeça.
Vai dizer em 1Cor 14,5 "Desejo que todos faleis em línguas, mas prefiro que profetizeis. Aquele que profetiza é maior do que aquele que fala em línguas, a menos que este as interprete, para que a assembleia seja edificada."

A oração em línguas não é algo criado pela Renovação, muito menos pelo protestantismo como disse - você que se diz "O catequista" deveria saber disso - ela veio em Pentecostes, e voltou novamente para reavivar a Igreja, e pela Graça de Deus, os dons estão sendo manifestado em abundância pelo Espirito Santo.

1Cor 14,14 "Se oro em línguas, meu espírito está em oração, mas a minha inteligência nenhum fruto colhe."

A oração em línguas é para edificação pessoal e para toda a assembleia também. Não menospreze o movimento que trem trago avivamento em abundância, nesse segundo Pentecostes!
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Cleomir 01-09-2017 15:41
Vinicius. Não vejo nesse post uma ofensa a RCC, e nem um menosprezo da parte do conteúdo. Sou um catequista também, e e amo profundamente a Igreja, amo tanto a Igreja que só acredito nela e não em leigos interpretes. Sabemos que o que não é um dogma não somos obrigados a acreditar, e isso não nos deixa menos católicos, nem melhores nem piores. Voltei pra Santa Igreja graças a RCC, sou grato e acredito sim na criatividade do Espírito Santo, mas acredito também que há exageros, uma certa forçação de barra para que todos dentro de uma assembleia orem em línguas, isso acho errado, pois é o Espirito que vem em nosso auxilio e não nós em auxilio dele para controlar ele. Fique em paz meu irmão, não se deixe contaminar com excessos, isso pode te levar ao protestantismo.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Vinicius 30-08-2017 18:03
Continuando... Começa então, em nome de Jesus, a anunciar curas e milagres. Ele relata a história dele com a RCC.

Há diversos de testemunhos e eu mesmo já cheguei a presenciar isso, em que, uma pessoa na assembleia está orando em línguas e outra pessoa do outro lado interpretar a oração, que muitas vezes foi uma profecia. Assista depois, o Jubileu de Ouro RCC, que ocorreu na praça de São Pedro em Roma. Estavam orando em línguas e de repente, uma mulher, Patti Mansfield, interpreta a oração e é vinda como uma profecia lançada para nós. Não lembro ao certo a profecia. Peço-te, conheça a Renovação Carismática Católica, movimento dado pelo Espirito Santo à nós Católicos Apostólicos Romanos, a vivenciar mais a santidade e a buscar os dons do Espirito em abundância e profetizar sobre os quatro cantos, como vai dizer a Palavra.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Vinicius 30-08-2017 17:54
Padre Emiliano Tardif, é um das mais importantes personalidades carismáticas da atualidade. Falecido em 1999, também não tinha o mesmo afinco com a oração em línguas como vocês demonstraram ter, e conservador, também achava que a RCC era um protestantismo entrando na Igreja. Muito pelo contrário, em Atos 2,17 vai relatar que haverá um segundo Pentecostes, e será maior do que o primeiro ainda por que atingirá à todos, crianças e jovens, adultos e idosos.

Mas Emiliano tinha esse pensamento até ele ser curado por um bando de "Ah lelek" carismáticos como este exemplo tosco e medíocre que deu.

Emiliano sofria de uma doença chamada, carcinoma da naso faringe e já estava à beira da morte, até que oraram por ele no hospital, foi curado e começou a orar em línguas lá mesmo. Glória a Deus. Após isso, Emiliano, como missionário e agora fazendo parte da RCC, começou a viajar pelo mundo propagando curas e milagres.
Obs: acabou o caracteres
Responder | Responder com citação | Citar
+2 # Carina 22-08-2017 15:31
Me identifiquei com essa postagem. Achei que eu estava sendo "incrédula" ou "errada" ao não sentir algo positivo sobre a oração em línguas.

Ontem estive no grupo de oração, gosto muito de frequentar, mas algo me incomodou. Eu estava de olhos fechados enquanto duas mulheres oravam por mim. Eu estava orando baixinho, quando elas começaram a orar em línguas. Até aí, Ok. Mas uma delas interrompeu a oração e perguntou se eu já orava em línguas. Eu disse que não. Ela disse "então comece a nos imitar". Eu disse que "tinha dificuldade com isso", e ela insistiu que eu as imitasse, que era fácil.

A partir dali, a minha oração silenciosa e minha conexão com a oração que eu estava fazendo antes foi perdida e não consegui me encaixar no que elas oravam. Não foi uma experiência legal. Acredito que cada um tem um dom e nenhum deles deve ser imposto.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # João Pedro Strabelli 01-08-2017 19:24
Eu, modesta e pessoalmente e sem querer criticar ninguém nem nada, acho que a única explicação para isso está em Pedro quando, movido pelo Espírito Santo que o próprio Jesus Cristo tinha avisado que mandaria, saiu para fora e pôs-se a falar e todos os estrangeiros a entender em suas próprias línguas. Ele falou em línguas, assim mesmo no plural? As palavras saindo da boca dele, penso que não, mas no entendimento das pessoas ali, só pode ser.

E a RCC nisso? Penso que ela faz um bom serviço. Mas o problema maior que ela vai enfrentar não é esse, vindo de fora. De uns tempos pra cá fiquei com a impressão que os problemas virão de dentro. Não sei porque. Mas cada vez que penso no assunto, fico com essa impressão.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Marcelo Cordeiro 30-07-2017 11:04
Acho que vcs precisao se atualizar ,sobre o que o papa falou para a RCC e sobre os dons, a forma que voces colocaram sobre a oracao em linguas foi de uma forma comica Ex: ah le lek lek lek, isso e uma forma de denegrir a oracao de milhoes de carismaticos , a Rcc nao nasceu protestante nasceu ecumenica, outra coisa se a oracao em linguas esta errada por os 3 ultimos papa nao se pronunciaram contra? Por que a congracao da doutrina da fe nao se pronunciou contra? Papa francisco agradece a RCC tudo aquilo que ela fez para igreja nesses 50anos , disse que somos uma corrente de graca. Por favor mais respeito.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Paola 05-07-2017 15:21
O Catequista sempre nós mostrando a verdade, são posts como esse que me faz acreditar que a Santa Igreja não se perderá no lamaceiro que é a RCC as pessoas seguem sem ao menos saber o que está seguindo a certo
Responder | Responder com citação | Citar
+2 # Adriano 15-06-2017 21:04
Só tenham cuidado com os pecados contra o Espírito Santo: são imperdoáveis (Mateus 12.31);

Todo mundo escarnecendo: "eles estão embriagados de vinho doce". Só que é a ação de Deus. Tão parecendo protestante, que é do contra em tudo...
Responder | Responder com citação | Citar
+3 # A Catequista 16-06-2017 14:48
Ok. Se é ação de Deus, porque a Igreja - que é de Deus - nunca se pronunciou e bateu o martelo garantindo que é mesmo isso?

Também é importante ter cuidado com o protestantismo que se insere cada vez mais no meio católico. Você diz que estamos parecendo protestantes, mas vale lembrar que a oração em línguas (da forma como acontece na RCC) nasceu e é praticada amplamente em meio protestante.

Ademais, não nos posicionamos "contra" nada. Leia de novo o que escrevemos:

"Enfim, se você acredita na oração em línguas na forma como é pregada pela RCC, ok. Como já dissemos, o Magistério jamais se pronunciou sobre assunto, então cada um pode pensar o que bem entender."
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rodrigo 01-08-2017 14:29
Citando A Catequista:
Ok. Se é ação de Deus, porque a Igreja - que é de Deus - nunca se pronunciou e bateu o martelo garantindo que é mesmo isso?

Também é importante ter cuidado com o protestantismo que se insere cada vez mais no meio católico. Você diz que estamos parecendo protestantes, mas vale lembrar que a oração em línguas (da forma como acontece na RCC) nasceu e é praticada amplamente em meio protestante.

Ademais, não nos posicionamos "contra" nada. Leia de novo o que escrevemos:

"Enfim, se você acredita na oração em línguas na forma como é pregada pela RCC, ok. Como já dissemos, o Magistério jamais se pronunciou sobre assunto, então cada um pode pensar o que bem entender."


Não vamos permitir que o inimigo semeie discórdia entre nós, porque isso é o que ele faz.afinal antes de sermos catequistas, carismáticos ou de qualquer outro movimento e pastoral na igreja, somos todos Católicos.

Rodrigo - Escravo de Maria
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rodrigo 01-08-2017 14:27
A paz de Jesus e o Amor de Maria esteja no coração de cada um de vocês!

Primeiramente gostaria de de dizer que acompanho o trabalho de "O catequista" pelas postagens no facebook e em outras mídias, acredito que vocês têm feito um bom trabalho em defesa da Igreja. Entretanto, creio que neste sentido o texto da forma que foi editado é ambiguo, deixando sim uma impressão que vocês atacam a RCC e desrespeitam a questão dos Carisma.

Em seu texto, vocês mencionam algumas citações bíblicas e vou me valer delas também, ICOR 12, 1;4;10 "1.A respeito dos dons espirituais, irmãos, não quero que vivais na ignorância... 4.Há diversidade de dons, mas um só Espírito... 10.a outro, o dom de milagres; a outro, a profecia; a outro, o discernimento dos espíritos; a outro, a variedade de línguas; a outro, por fim, a interpretação das línguas"
Também temos ICOR 14.

A impressão que se tem no texto é que vocês estão fazendo como está escrito em atos Atos 2, 13.
Responder | Responder com citação | Citar
-1 # Gullith 18-05-2017 08:21
Sou do movimento da RCC,
E gostaria de pedir a vocês do O Catequista, que acreditam esta catequizando.
Que repense se realmente o que vocês estão fazendo vai ganhar alguma alma pra Jesus.
Que Deus abençoe!
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Oração versus “Chama a louca aqui, chama a louca lá” – a falácia do pentecostalismo » Apostolado Caritas in Veritate 07-03-2014 11:16
[...] Recomendo também a leitura do artigo no “O Catequista”: http://ocatequista.com.br/archives/9316. [...]
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Andre 09-04-2013 13:41
desculpe poluir o tópico com uma coisa tão diferente, mas como vcs nao tem uma secao para duvidas diversas temos que perguntar tudo via comentario! D: Eh sobre essa famigerada historia de Michel Telo na JMJ... isso procede? Como Alexandre trabalha na organizacao em copacabana, creio que ele ou mais alguem do blog saiba responder... Qnd vi na veja, minha primeira reacao foi de que era uma calunia sensacionalista, mas depois pensei que talvez nao fosse mentira, ja que uma revista de altissima circulacao teria de possuir o minimo cuidado de ter fontes confiaveis antes de divulgar uma polemica tao grande como esta!!! Obg desde ja... :)
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Carlos 09-04-2013 10:43
Achei muito legal esta reflexão sobre o assunto. Concordo com Pe Paulo Ricardo, inclusive com as opiniões dele. Já participei desse movimento, mais cada vez mais sinto uma repulsa pois as coisas são feitas de maneira às vezes acintosa, obrigando as pessoas a orar em linguas. Fazem barulho o tempo todo. Não sei como conseguem escutar Deus, pois oração é muito mais uma escuta do que falar com Deus. Hoje percebo muito mais que Deus fala no nosso silencio (na brisa e não no trovão, ou na ventania). Como disse o Pe Paulo Ricardo neste curso sobre dons carismáticos, o dom é algo que Deus dá para servir o outro, e o que vemos na verdade parece que é para uso próprio. É muito perigoso esse negocio de pedir os dons. Deus dá o dom diferente para cada um para beneficio do outro.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Bruno 09-04-2013 02:02
Eu concordo com a catequista, por favor joguem tomates em mim também! kkkk o Kg aqui em recife tá R$8,00
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Adriana 09-04-2013 00:40
Confesso que sou completamente descrente neste fenômeno do "falar em línguas" que tem ocorrido nos grupos da RCC. Na minha simples opinião penso que o fazem por autossugestão, ou ainda, por sugestão coletiva, ou ainda, por sugestão de quem está conduzindo o grupo de orações. Pior que há gente desesperada procurando a todo custo ter, conquistar, sentir, exibir tal dom. Até parece que se não o tiverem não serão cristãos completos, não serão abençoados. Digamos que essa balbuciação toda seja realmente um dom extraordinário, então é bom a galera começar a pedir também o dom da interpretação para que a inteligência tenha frutos. Esta é a orientação de São Paulo: "Já que vos empenhais em ter os dons do Espírito, procurai tê-los em abundância para a edificação da Igreja. Por isso quem fala em línguas peça na oração o dom de interpretá-las. Se oro em línguas, o meu espírito está orando, mas a minha inteligência fica sem fruto." (1Corintíos 14, 12-14) Gosto muito deste blog, às vezes são ácidos, às vezes cômicos, às vezes há um certo tom de deboche. Mas a essência é Bíblica, da Tradição e do Magistério da Santa e Madre Igreja Católica. Não sei se já escreveram (recentemente que encontrei este blog e ainda não consegui ver tudo), mas seria interessante um artigo sobre os Dons, os Carismas e os Frutos do Espírito Santo. Paz de Cristo
Responder | Responder com citação | Citar
+2 # Edymara 09-04-2013 00:24
Há uma Comunidade da RCC aqui perto de casa, e a vontade de me envolver mais com as coisas da Igreja desde algum tempo me fez desejar entrar para algum grupo de lá. Mas sempre ia surgindo algo que me levava a "adiar" essa entrada, até que há três semanas eu finalmente passei a participar de um dos grupos. Estou gostando bastante, mas devo confessar que sempre que começa o "Shimbalariêailariá" vindo de um monte de gente ao mesmo tempo eu me sinto "sufocada", não consigo rezar mais nem em português, avalie... E sempre tem alguma "revelação". O povo "vê" tipo uma paisagem e já vem em seguida com a explicação do que quer dizer. Isso meio que me intriga, me fez lembrar daquele outro post em que vocês disseram que "a impressão que passa de quem precisa de manifestações sobrenaturais para crer é que sua fé é muito pequena". Não tô dizendo que esse seja o caso da galera de lá, é possível até que a fé deles seja mais profunda que a minha, só Deus pra saber, mas esse "alvoroço" todo meio que me incomoda; quando tudo tah mais calmo, sereno, é que eu sinto melhor a presença de Deus. Às vezes, quando eu vou rezar (em pensamentos) e não sei bem o que "dizer", então peço ao Espírito Santo que reze por mim, e de repente minha mente começa a formular sentenças (em português) exatamente com o que eu gostaria de falar, mas não conseguia até então.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Andressa 08-04-2013 23:33
Sempre leio os artigos do blog... faço parte da RCC há 16 anos... acredito que em nossa Igreja deveriamos lutar sempre para unir e não dividir.. há vários ministérios, pastorais, maneiras de orar, trabalhar, o foco deve ser sempre Jesus. A palavra de Deus diz que Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. O Dom maior é a Caridade.. acho que neste post faltou um pouquinho... Como diz nosso querido Padre Zezinho em uma de suas canções "Lá no céu só vai entrar quem sabe amar" Então pra que tanta discussão?
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # A Catequista 08-04-2013 23:53
Andressa, Acho realmente estranho toda a vez que alguém vem com esse papo de "divisão", só porque mostramos discordância em relação a algo que outro católico ou grupo católico afirma. Ora, se a unidade da Igreja dependesse de opriniões unânimes, não teríamos unidade nunca! A nossa unidade vem da mesma fé essencial, que é a fé nos ensinamentos do Papa, na Bíblia e na Tradição da Igreja. O resto pode e deve ser discutido. Se todo o mundo dentro da Igreja tivesse esse conceito de "divisão", jamais teriam havido os Concílios já que os cardeais e bispos vão lá justamente para DISCUTIR, e na maioria das vezes as opiniões divergem muito. Por que faltou caridade? Eu poderia rebater no mesmo nível, dizendo que falta caridade no seu julgamento sobre nós. Mas acho que o conceito de caridade é mais profundo e rico, e está acima de todo esse mi-mi-mi. Não publicamos esse post não para provocar ninguém, mas simplesmente para atender ao pedido dos nossos leitores, que queriam saber a nossa opinião. Alguns gostaram muito, outros nem tanto, outros detestaram... E a vida segue em frente.
Responder | Responder com citação | Citar
-1 # Paulo Cesar 02-08-2017 02:00
Viviane, permita-me um feedback caridoso (é pessoal, não para publicar): Uma coisa é dar um tom descontraído, usar um humor saudável, dar uma opinião sincera... Outra bem diferente é ser agressivo e até beirar o desrespeito nos comentários. Não sei se você já se deu conta de que você sempre sobe o tom da conversa quando alguém tem uma opinião não alinhada com a sua?

Faço esse comentário aqui, usando o exemplo do texto da Andressa',mas há muitos outros neste próprio post e em outros. Compare o tom dela com o seu. Já frequentei este site com bastante frequência, mas confesso que esse tom que você passou a usar (ou abusar) me afastou. Hoje resolvi revisitá-los, mas me arrependi. Despeço-me fraternalmente. Torço pelo sucesso de vocês. Seu site me ajudou muito em algum momento. Seria muito bom se vocês voltassem às origens. Era muito agradável.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rafael Rosa dos Santos Silva 09-04-2013 12:40
seria essa a opinião de Francisco? http://papa.cancaonova.com/nao-julgar-nem-falar-mal-deixar-o-espirito-vir-a-nos-pede-papa-em-missa/
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # A Catequista 09-04-2013 13:08
Rafael, E acaso estamos falando mal de alguém? Estamos apenas expondo a nossa reflexão sobre a oração em línguas, e deixamos bem claro que quem pensa o contrário, tudo bem, já que o Magistério até hoje não se pronunciou sobre o assunto. Eu não tenho problemas com quem crê na oração em línguas, mas o contrário parece intolerável para certas pessoas que creem.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 09-04-2013 12:53
Amar e não falar mal pode sim ser a mesma coisa: uma mãe que não fale mal da vida drogada de seu filho dependente químico, não o ama de fato. Amar é sofrer, é morrer e é falar mal dos erros pois se assim não fosse Deus toleraria o nosso pecado e sabemos que não é assim.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Wilton Silva 08-04-2013 23:51
Parabéns Andressa, muito bem colocado por vc, pra quê tanta discussão se todos caminham sob a luz do mesmo Espírito Santo, a nossa igreja é mesmo muito bela pela sua diversidade onde cada um participa do que mais se identifica, ficar discutindo certos assuntos dessa forma não ajuda em nada, fica parecendo blog de futebol... onde há o amor e a caridade Deus ali está!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Thiago de Moraes 08-04-2013 22:40
Dom não se aprende; se é extraordinário nem todo mundo tem; se vem de Deus tem que edificar; Se foi dado à Igreja tem que estar na Tradição ou na Escritura. No mais, é no mínimo fantasia... #ChamaLáMariaLaura
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ana 08-04-2013 21:30
E o que fazer quando se é super tradicionalista, e a sua diocese inteirinha é RCC? Com exceção da OFS na minha cidade, mas é um grupo pequeno e um pouco fechado ainda. Sério, fico muito perdida aqui, tento evitar o máximo RCC, não gosto, não me sinto bem e não consigo ficar na presença deles. Então, acabo por não participar de diversas missas, grupos e pastorais que podem acabar me encurralando para a RCC, e acabo ficando mal com isso, pois queria participar mais da Igreja.
Responder | Responder com citação | Citar
-2 # Marcelo 08-04-2013 23:25
Se você não apoia a RCC você NÃO É IGREJA! A Renovação Carismática atendeu o apelo do Papa João Paulo II! vá estudar #Pseudotradicionalista
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # A Catequista 08-04-2013 23:34
Marcelo, Eu tenho muito apreço pela RCC. Até porque algumas das primeiras pessoas que me acolheram dentro da Igreja eram da RCC. Entretanto, ninguém é obrigado a gostar da RCC. Eu, por exemplo, faço parte de um Movimento que muita gente não gosta, e eu não vejo mal nenhum nisso. Graças a Deus, a Igreja tem uma grande diversidade. Todos dentro da mesma doutrina, mas com metodologias diversas. Alguns se identificam mais com um carisma do que com outro. Mas criticar determinados aspectos de um grupo não significa dizer que esse grupo não presta, ou não faz parte da Igreja. Faz pouco tempo que Bento XVI corrigiu certos aspectos do Movimento Neocatecumenal. Isso não queria dizer que ele desaprovasse o Movimento como um todo, mas sim que precisava de um melhor direcionamento em determinados aspectos. Então, discordar da visão da RCC sobre a oração em línguas não é o mesmo que rejeitar ou ignorar que esse Movimento é parte importantíssima da Igreja e dá bons frutos.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ana Maria Allgayer 08-04-2013 22:22
Meu caso, colega de mesmo nome!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Wilton Silva 08-04-2013 21:01
A minha opinião sobre a oração em línguas, é que precisa ser mais aprofundada dentro dos grupos de oração, sou da RCC, pra mim trata-se de um louvor espontâneo e sincero, muitas pessoas acabam chamando mais a atenção para si, eu prefiro ser mais discreto voltar a atenção apenas para Jesus Cristo, enfim, acho que é um meio de aproximar mais pessoas da igreja, além do mais temos tantas coisas nos dias atuais que atrapalham a nossa vida e que tentam destruir a igreja de Cristo que isso vem a tornar-se um aliado na luta contra o mal.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Paulo 08-04-2013 20:58
Certa ocasião fui convidado para um encontro de um grupo de oração da RCC. Estava totalmente desprevenido para o que ia acontecer lá, pois só sabia do lance de orar em línguas por ouvir falar... Tenso! Me senti como quando era criança e minha vó me levou para uma festa de "Cosme e Damião" de uma vizinha "benzedeira"... Na boa, se algum dia na minha cidade todas as paróquias forem tomadas pelas missas de "cura e libertação" eu fico só rezando na minha casa quietinho... Nossa religião é tão infinitamente rica, não precisamos ficar copiando os evangélicos. Agora até o achincalhe de "batalha ispiritual" tem católico copiando... OMG!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sandra Tenório 08-04-2013 20:10
Nem entro na discussão , mas o tom de deboche é desnecessário! O Papa, Bento XVI reconheceu a Canção Nova ! Se eles praticam algo contra a igreja , as autoridades eclesiais que se manifestem !
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 08-04-2013 23:59
Sandra Tenório, em nenhum momento desse artigo dissemos que a CN pratica qualquer coisa contra a Igreja. Apenas afirmamos a nossa opinião - e deixamos claro de que se trata de uma mera opinião - de que o entendimento da RCC sobre a oração em línguas está equivocado. E, se o Magistério ainda não bateu o martelo sobre isso, os leigos têm todo o direito de emitir suas opiniões, tanto contra como a favor.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Pedro 08-04-2013 19:25
Olá, Pessoal d´O Catequista! Eu gosto muito deste site e mais ainda do embasamento que vcs dão as opinioes de vcs. Confesso que ainda nao estou acostumado com esse tom de boteco pra falar do Magistério ( parece que estou tomando pinga com o Papa Bento XVI, eheeh!) - mas, como vcs podem ver, já estou contaminado. Gostaria de pontuar minha opinião acerca do assunto e questionar uma atitude do site. - Sobre a Glossolalia, gostei muito da opinião do Luis Fernando Lemos. Eu complementaria com meu testemunho. Deus se tornou uma pessoa para mim no Movimento Mariano ( Em que a gente praticamente só reza o terço e se consagra a Nossa Senhora -e é fantástico, diga-se de passagem) , depois encontrei a RCC e, muito cético, achei que a oração em linguas fosse macumba. Nunca quis ficar imitando o povo a rezar, como muito se dispoem pela emoção ou porque sao menos Tomé do que nós. Entretanto, com o caminhar das coisas e reconhecendo os frutos daquela vivência de Fé ( Aproveito para passar marca-texto neste conceito bíblico: Mateus 7, 16 -20 = " Vocês os reconhecerão por seus frutos. Pode alguém colher uvas de um espinheiro ou figos de ervas daninhas? Semelhantemente, toda árvore boa dá frutos bons, mas a árvore ruim dá frutos ruins. A árvore boa não pode dar frutos ruins, nem a árvore ruim pode dar frutos bons.Toda árvore que não produz bons frutos é cortada e lançada ao fogo.Assim, pelos seus frutos vocês os reconhecerão! " Espero que vocês deste Blog de tao alta qualidade usem deste conceito para emitirem opiniões, principalmente as que nao têm base no Magistério. Vocês vêem bons frutos? Vêem pessoas que realmente mudam de vida? Vêem o Rosto de JEsus nessas pessoas, em suas obras e atitudes? Se o fruto é bom, a Arvore provavelmente é boa. E Quem fala isso eh quem? Como dizem vcs mesmos, Eh Zizuis! Continuando minha narrativa de mim mesmo, reconheci uma boa árvore e fiz um esforço qse sobrehumano para me abrir aqueles fenomenos loucos: Pessoas falando XamalexandreXamalexandre, BAlahalls, Balahalls, pessoas Caindo no chao ( Ai meu Deus! Elas morreram?!), pessoas que eu nem conhecia falando ao meu ouvido exatamente sobre aquelas angústias que estao me atormentando e de como Deus me amava e se derramava em misericordia para mim. ISso me abriu a essas possibilidades loucas da RCC e me fizeram descer do meu pedestal de orgulho e vaidade e fazer o que aqueles loucos faziam e que frutificava em suas vidas em Amor à Igreja, a Deus, em Castidade, em Fidelidade, em Caridade, enfim... Nos frutos do Espírito. A partir de então comecei a me dispor a abrir minha boca e tentar deixar que Deus fizesse algo com aqueles gemidos. Inicialmente, achei artificial e estranho, mas sabia que devia fazer aquilo. Depois, durante as orações ocorre justamente o que Sao Paulo diz: Os outros Dons ( Superiores) nos vêm conforme o Espirito Quer. AProveito para comentar de um outro tema que vcs colocaram, sobre aspirar a dons de bilocação e etc. O que a RCC ensina, mesmo que através das orações escandalosas e manifestações loucas que lhe são típicas, é a SE DISPOR a esses dons. Eles nao nos vêm de Deus como imposição. Isso significa que se não nos dispusermos, Deus não nos obrigará. Neste tempo de tantos barulhos, acho muito razoável que algum barulho (como por exemplo essas manifestações meio loucas do Espírito SAnto na RCC ) se faça para gritar mais alto que o mundo ( embora o silêncio seja, sim o maior barulho). - Aliás, vcs de "O Catequista" sao um desses barulhos! Meu questionamento iria ser se realmente era necessario colocar temas polemicos como este para serem debatidos, já que podem criar divisões e fazer com que pessoas fechem seu coração a algumas " artimanhas" que Deus usa para nos conquistar, MAS, ao pensar bem, vi que a Verdade de Deus sempre prevalece e que a função deste Blog é justamente a discussão. É até bom para aprendermos a discutir SEM PERDER A CARIDADE. Muitissimo Obrigado pela Vida de VocÊs. Deus ABençoe!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rafael Rosa dos Santos Silva 08-04-2013 19:22
Apenas acrescentando outra referencia biblica: I Coríntios, 12 1. A respeito dos dons espirituais, irmãos, não quero que vivais na ignorância. 2. Sabeis que, quando éreis pagãos, vos deixáveis levar, conforme vossas tendências, aos ídolos mudos. 3. Por isso, eu vos declaro: ninguém, falando sob a ação divina, pode dizer: Jesus seja maldito e ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, senão sob a ação do Espírito Santo. 4. Há diversidade de dons, mas um só Espírito. 5. Os ministérios são diversos, mas um só é o Senhor. 6. Há também diversas operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. 7. A cada um é dada a manifestação do Espírito para proveito comum. 8. A um é dada pelo Espírito uma palavra de sabedoria; a outro, uma palavra de ciência, por esse mesmo Espírito; 9. a outro, a fé, pelo mesmo Espírito; a outro, a graça de curar as doenças, no mesmo Espírito; 10. a outro, o dom de milagres; a outro, a profecia; a outro, o discernimento dos espíritos; a outro, a variedade de línguas; a outro, por fim, a interpretação das línguas. 11. Mas um e o mesmo Espírito distribui todos estes dons, repartindo a cada um como lhe apraz. 12. Porque, como o corpo é um todo tendo muitos membros, e todos os membros do corpo, embora muitos, formam um só corpo, assim também é Cristo. Leia mais em: http://www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/i-corintios/12/#ixzz2PuQz9kDC
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 08-04-2013 19:24
E...?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rafael Rosa dos Santos Silva 09-04-2013 10:50
Na verdade queria mostrar que a Glossolalia aparece em outro momento das cartas paulinas (em especial no versiculo 10 supracitado). E só! rs! Ainda que eu acredite que ICor 14,2 deixa bem claro que se trata de Glossolalia, sem forçação de barra alguma: "Aquele que fala em línguas não fala aos homens, senão a Deus: NINGUÉM O ENTENDE, pois fala coisas misteriosas, sob a ação do Espírito" (ICor 14,2) Detalhe também para o fato de que Paulo diz que DESEJA que todos falem em línguas, mas ainda mais que PROFETIZEM (ou seja, falem em vernáculo). Paulo não nega o dom de falar em línguas, apenas diz que ele edifica UNICA E EXCLUSIVAMENTE quem fala! E repito que vocês poderiam opinar, e até brincar (sem piada não seriam vocês), mas poderiam ser mais respeitosos, em especial com a imagem do Padre Jonas Abib, que já foi bem ridicularizada pelos protestantes e pelos espiritualistas. Não sejam como Rafinha Bastos, se é que entendem o que quero dizer!
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # A Catequista 09-04-2013 11:28
Rafael, O versículo 10 da passagem da Bíblia que vc citou não tem nada a ve com a oração em línguas como é feita hoje pela RCC. São Paulo fala em VARIEDADE DE LÍNGUAS, ou seja, variedade de idiomas, que foi exatamente o dom manifestado pelos apóstolos em Pentecostes. Quanto ao Padre Jonas, que desrespeito há em colocar um vídeo dele falando em línguas? Se está ridículo, a culpa não é minha, talvez seja mesmo a situação em si. E o segundo vídeo do Padre Jonas tem apenas uma legenda (ué, qual é o problema?), e o carinha dizendo que não entendeu o que ele falou. E, aliás, o próprio padre disse que nem ele podia entender o que dizia. Brincadeirinha mega-light, que não emite nenhum juízo sobre a pessoa do padre. Essa eu faria até com o meu avô. Não somos como o Rafinha Bastos, pq não gostamos de comer bebês.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rafael Rosa dos Santos Silva 09-04-2013 12:01
Ainda acho um exagero a piada com o Padre, mas enfim... Agora sobre o Rafinha Bastos #euri alto não me contive kkkkkkkkkkk
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Emanoel Tadeu 08-04-2013 19:17
Discurso do Papa João Paulo II aos responsáveis pelo movimento carismático católico: http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/speeches/1998/october/documents/hf_jp-ii_spe_19981030_carismatici_po.html Mensagem do Papa João Paulo II aos participantes no encontro mundial da renovação carismática católica: http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/speeches/2000/apr-jun/documents/hf_jp-ii_spe_20000424_catholic-charismatic-renewal_po.html Discurso do Papa Bento XVI aos responsáveis da comunidade da renovação carismática católica: http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/speeches/2008/october/documents/hf_ben-xvi_spe_20081031_carismatici_po.html
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 08-04-2013 19:23
Emanoel, Não entendi bem qual foi o seu objetivo ao postar esses links aqui. Seria para afirmar que a RCC é aprovada pela Igreja? Sim, é claro que é! Em nenhum momento aqui dissemos algo que contrariasse isso. Entretanto, dizer que João Paulo II e Bento XVI aprovam a RCC não significa que eles aprovam todas as suas práticas, como o estímulo à oração em línguas. Sobre isso, o Vaticano segue em silêncio.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Emanoel Tadeu 09-04-2013 10:20
Cara Catequista, Sei que a RCC é aprovada pela Igreja. A intenção foi divulgar um pouco mais sobre a renovação carismática, a partir da palavra dos Papas. Mas não fica claro, pois se a RCC é aprovada e reconhecida pela Igreja, como pode suas práticas não serem aprovadas? Não existe uma contradição ai? Não sou da renovação. Mas o tom de deboche com o qual este movimento tem sido tratado em vários locais e momentos não é, no mínimo, legal.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 09-04-2013 10:34
Não, Emanoel, não há contradição. Porque a Igreja aprovou a RCC, mas a sua aprovação não tinha nada a ver com oração em línguas. Da mesma forma, a Igreja aprovou o caminho Neocatecumenal, mas, posteriormente, teve que corrigir alguns desvios praticados por eles na liturgia (quem fez isso foi Bento XVI).
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rafael Rosa dos Santos Silva 08-04-2013 19:12
Na minha opinião: o texto até que está bem escrito. Opinião, é opinião e eu sou do time do Padre Paulo Ricardo (rs)! Posto isso, quero dizer que acho mtu bom humor e o sarcasmo de vocês, mesmo com assuntos sérios. Mas dessa ver o trecho em que usam os post do Padre Jonas Abib (versão legendada by evangeligospels) foi EXTREMAMENTE desrespeitoso, afinal como a catequista mesma disse, o magistério nunca se posicionou oficialmente, o que dá ao Padre Jonas o direito de promover o dom da forma como bem entender, ainda que escandalize alguns. E por fim, a imagem do final é um deboche com cada carismático que vem aprender mais nessa página, ou seja, é falta de respeito com muitos leitores que não só acreditam mas oram em línguas em seus grupos. TODO bom católico sabe que: Orar o Pai Nosso é uma oração rápida, descomplicada e perfeita. Porém Jesus nunca proibiu outros modos de orar, e é o que a imagem tenta sugerir. Exponha a opinião de vocês, tenham o direito de não acreditar em algo que não é dogmático. Mas respeitem quem acredita!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Diego 08-04-2013 18:42
Não sei se todos sabem, a origem da RCC é americana e as pessoas que a fundaram algumas vinham(ou eram) de igrejas protestantes pentecostais. Acho que daqui alguns já sabem onde isso vai dar... (ou foi parar). Outra coisa também é que já fui da RCC, e, no "meu caso"(sinto um pouco de vergonha em dizer isso mas é verdade) eu seguia a galera. Tanto que nos encontros, se um iniciava, todos seguiam. Por isso, hoje, não acredito que seja uma manifestação involuntária.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Mariane Rodrigues 01-08-2017 16:18
A RCC não tem uma pessoa como fundadora,porque o Espirito Santo que as inspirou.
E aqueles jovens experimentaram da graça de sentir o amor de Deus,e a primeira experiencia de alguns deles foi quando estavam sozinhos!

Não sinta vergonha de ter participado da RCC, mas sim de "seguir a galera" ,se estivesse procurando realmente se encontrar de forma intima com o Senhor só iria se preocupar com sua oraçao e não no que os outros faziam
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Diego 08-04-2013 19:06
Aproveitando... Parabéns pelo Post. Tava demorando! E sabia que ia dar nisso! rs! Com sarcasmo o super-sarcasmo. A galera, de um jeito ou de outro, ia ficar meio bolada!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ligia Cassia 08-04-2013 18:42
Concordo com tudo e sinto assim também´; concordo com a pesquisa, com os textos, etc.... só que o nível de deboche de voces, por vezes é muito alto, sabe. Tirar sarro é uma coisa... estrapolar é bem outra. O texto é muito instrutivo, mas na minha opinião vcs ridicularizaram demais. Só a explicação dada, e o embasamento teológico bastaria.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Nascimento 08-04-2013 18:38
Interessante a discussão sobre o assunto, porém, me perdoe a sinceridade, mas você levou para o lado sarrista e, em minha opinião, você exagerou, principalmente no título: "Oração em línguas deu medinho no Papa". É preciso cuidado com o que ensinamos na Igreja, assim como você não concorda com o assunto em questão, corre também o risco de as pessoas não darem crédito ao que você escreveu, haja vista as brincadeiras desnecessárias.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Luis Fernando Lemos 08-04-2013 18:12
pois bem, na carta aos Romanos versiculo 26 "Outrossim, o Espírito vem em auxílio à nossa fraqueza; porque não sabemos o que devemos pedir, nem orar como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inefáveis." Não sei se vcs ouviram quando o padre paulo Ricardo fala q podemos identificar alguns tipos de oração em linguas.. 1) aquele que ninguem entende nada (esse da passagem ai); 2) em raros casos a interpretacao; 3) aquele q a pessoa fala em uma lingua estranha sem ter nunca estudado a linguagem. Bom se no pentecostes aconteceu q todos entendiam fica muito bem claro q é o 3 ai da minha listinha.. certo? Quanto as orientações de São Paulo, não é para que todos nao façam a oração em linguas, ele até deseja que todos tenham esse dom.. 1 Cor 14, 1 e seguintes "Empenhai-vos em procurar a caridade. Aspirai igualmente aos dons espirituais, mas sobretudo ao de profecia. Aquele que fala em línguas não fala aos homens, senão a Deus: ninguém o entende, pois fala coisas misteriosas, sob a ação do Espírito. Aquele, porém, que profetiza fala aos homens, para edificá-los, exortá-los e consolá-los. Aquele que fala em línguas edifica-se a si mesmo; mas o que profetiza, edifica a assembléia." Viu só GEMIDOS INEFÁVEIS, NÃO FALA AOS HOMENS, NINGUEM O ENTENDE... Como eu havia falado, várias pessoas com o dom de orar em linguas nao é o problema, mas sim vários o usarem ao mesmo tempo.. engraçado q são paulo até fala para que tenha uns 3 orando e 1 para interpretar... ("versiculo 14") é um capitulo longo e bem explicativo.. vamos continuar lendo ele... continuando, versiculos 18 e 19 "Graças a Deus que possuo o dom de línguas superior a todos vós. Mas prefiro falar na assembléia cinco palavras que compreendo, para instruir também os outros, a falar dez mil palavras em línguas." Q graciiinha ele sabe alguma lingua melhor q os outros.. tirou A+ no CCAA... só que não.... versiculo 21 "Será por gente de língua estrangeira e por lábios estrangeiros que falarei a este povo; e nem assim me ouvirão, diz o Senhor" karaca.. nem tirando A+ no CCAA o povo ouve... versiculos 22 a 25 "Assim, as línguas são sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; enquanto as profecias são um sinal, não para os infiéis, mas para os fiéis. Se, pois, numa assembléia da igreja inteira todos falarem em línguas, e se entrarem homens simples ou infiéis, não dirão que estais loucos? Se, porém, todos profetizarem, e entrar ali um infiel ou um homem simples, por todos é convencido, por todos é julgado; os segredos do seu coração tornam-se manifestos. Então, prostrado com a face em terra, adorará a Deus e proclamará que Deus está realmente entre vós." sacou que a oração em linguas é sinal para os incrédulos e a profecia para o seu convencimento? Já viu nos grupos de RCC proclamarem curas, fatos ruins q aconteceram com as pessoas, e a necessidade das mudanças por causa desses atos?? é para q os que não acreditam se convençam.. viu só??! São Paulo não quis abrir uma escola de idiomas e sim deu instrução para o uso da oração em linguas, interpretação para edificação da comunidade e para convencimento dos incrédulos...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # O Catequista 08-04-2013 18:10
E aí Povo Católico... Esxuanadlrhsjruaddducagaunanzá assumeltuand alsusomslelru lasu sojuaus oxaxá! Opa... pronto. Aí está a resposta de que tanto precisamos. Pena que não dá pra entender. Mas se foi inspirado, talvez algum outro inspirado consiga decifrar e tirar algum proveito, correto? Galera... na boa. Essa não rola... Esse embasamento bíblico todo para o dom de línguas está correto, mas é para línguas e não para ruídos esquisitos. E sobre o tom do post: é assim que escrevemos. Senão, seríamos mais um blog como qualquer outro (respeitando todos os outros). Aqui a gente sacaneia mas faz catequese de verdade. Em uma língua que vc entende!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luís Fernando Nascimento 08-04-2013 18:03
Olá, meus caros dO Catequista! Excelente post! Eu fico com a opinião do Pe. Paulo mesmo! Fui RCC - e ainda sou por um tempo - desde o início da minha caminhada, e a "oração em línguas" foi de um grande sustento pra mim durante esse início. Vi um monge americano no Revolução Jesus (um dos programas da Canção Nova) dizendo que, dentre os que ingressam nos seminários lá, os mais fervorosos e perseverantes são justamente os Carismáticos, embora também, especialmente aqui no Brasil - que é o que tenho visto -, são os padres e leigos que mais se desviam da liturgia sob o pretexto do maior exercício dos "dons carismáticos". Pra mim, a RCC é importante enquanto impulso a um amadurecimento na Fé, pois vi casos de pessoas que, por não encontrarem esse incentivo nos Grupos de Oração, acharam que sentiriam mais DEUS usando a euforia no PROTESTANTISMO - e não são poucos casos. Enfim, que a RCC cresça sempre em comunhão com a Santa Igreja! Paz! †M
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Matheus 08-04-2013 17:58
Não devemos cair em "contradições" entre a palavra de Deus e a Doutrina da Igreja. A palavra fala sobre as orações em línguas? Sim, não somente em Corintios mas em varias outras citações, começando pelo livro do Gênesis. Fala que Deus falava com Adão. Como? Alguns teólogos dizem que por gestos, porem, outros dizem que por uma língua unica, cujo apenas os Anjos falavam, a mesma que a Oração em Línguas. No vídeo mostrado no artigo, o Papa presenciou uma oração em línguas. Ele sendo que ele é, se percebesse que o que ele via, não era fruto do espirito, por um acaso, não teria escrito algum documento proibindo, como fez com varias manifestações falsas de fé? Ai vem neguinho e fala: Mas o dom de línguas foi dado aos primeiros cristãos como sinal de contato mais profundo com Deus. E por acaso, nos, hoje, não temos contato um contato profundo com Deus? Outro argumento que tenho certeza que muito neguinho vai querer usar: A Renovação Carismática tem origem protestante, portanto Herege. Quem foram os primeiros a passarem pela experiência pregada pela RCC? Os Apóstolos, "coincidentemente" as pessoas que viviam mais próximas a Cristo. A RCC, teve inicio em Atos 2, porem a cultura de pentecostes, se perdeu, e na busca pelas "raízes" do cristianismo, os protestantes encontraram essa vertente. Alguns documentos bem difíceis de encontrar, pelo fato de serem da época patrística, dizem que os cristãos falavam em línguas em segredo, com medo de serem reconhecidos, já que os apóstolos faziam o mesmo. A oração em línguas não se baseia em um conjunto de palavras (Alias o nome correto é Louvor em Línguas) pois, estando tão próximo a Deus, não existem palavras compreensíveis. Sobre o tema sugerido, existe um documento da CNBB, que fala sobre a RCC, onde se fala todas as condições para que os ritos carismáticos aconteçam, que nesse ponto sou obrigado a concordar, não são praticamente nunca respeitados, e quando não respeitados, a Igreja se assemelha ao Protestantismo. Não cabe a nós, dizermos se é fruto de Deus ou não, esse é o papel da Igreja. Cabe a nós, acolher os ensinamentos dela, porque se começarmos a ignorar o que é ensinado, não passamos de discípulos de Lutero.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 09-04-2013 12:47
Matheus, a paz! Irmão, vamos pontuar certas coisas: 1) Antes de mais nada, o pessoal aqui do blog sabe como sou defensor do direito dos carismáticos de continuar na Igreja, já por várias vezes os defendi aqui de outros irmãos que pensam o contrário, portanto não estou criticando você ou qualquer outro por seu carisma já que o próprio Catecismo fala no nº 799 que eles todos servem para frutificação da Igreja. 2) Todavia percebi 3 erros em seu texto que fazem com que o santo zelo os corrija, vamos lá: a) "Não devemos cair em “contradições” entre a palavra de Deus e a Doutrina da Igreja. A palavra fala sobre as orações em línguas? Sim, não somente em Corintios mas em varias outras citações, começando pelo livro do Gênesis. Fala que Deus falava com Adão. Como? Alguns teólogos dizem que por gestos, porem, outros dizem que por uma língua unica, cujo apenas os Anjos falavam, a mesma que a Oração em Línguas" Esse argumento de Gênesis é totalmente falho pois Deus ao criar Adão deu a ele e a Eva a capacidade de falar alguma língua que AO MÍNIMO Deus e satanás compreendiam, portanto havia um entendimento entre todos eles nesse momento da criação, caso contrário Eva e Adão não teriam nem ouvido nem falado com Deus e com a serpente. Outro ponto que mostra a falibilidade desse seu argumento é o fato de que Deus é onipotente, logo qualquer que fosse a língua que Adão e Eva falassem, Deus os entenderia; já satanás que é uma criatura não seria assim, portanto havia sim de alguma forma uma língua falada e compreendida por todos no jardim. b) "No vídeo mostrado no artigo, o Papa presenciou uma oração em línguas. Ele sendo que ele é, se percebesse que o que ele via, não era fruto do espirito, por um acaso, não teria escrito algum documento proibindo, como fez com varias manifestações falsas de fé?" Esse argumento se baseia numa lacuna e portanto é muito difícil você afirmar algo assim, o que fica claro pelo vídeo é que o Bem-Aventurado João Paulo II Magno, achou aquele situação meio estranha, ou seja, ele com certeza não esperava algo parecido com o que aconteceu, nem por isso de fato ele escreveu algo condenado o ato já que isso é algo místico e portanto deveria ser analisado não só pelo Papa mas pelos bispos responsáveis por cada um deles, o Catecismo diz no nº 800 que é dever dos pastores submeter à análise os carismas e sem dúvida são essas as instruções que devem ser obedecidas. c) "Outro argumento que tenho certeza que muito neguinho vai querer usar: A Renovação Carismática tem origem protestante, portanto Herege. Quem foram os primeiros a passarem pela experiência pregada pela RCC? Os Apóstolos, “coincidentemente” as pessoas que viviam mais próximas a Cristo. A RCC, teve inicio em Atos 2, porem a cultura de pentecostes, se perdeu, e na busca pelas “raízes” do cristianismo, os protestantes encontraram essa vertente. Alguns documentos bem difíceis de encontrar, pelo fato de serem da época patrística, dizem que os cristãos falavam em línguas em segredo, com medo de serem reconhecidos, já que os apóstolos faziam o mesmo." O fenômeno da Renovação Carismática não é Apostólico, é do tempo imediatamente pós Vaticano II e teve início nos Estados Unidos na manifestação dos carismas por aquelas terras. Eu particularmente acho muito bom esse fruto advindo do Concílio bem como eu sempre o considerei como BJPII e BXVI o consideraram: a primavera da Igreja; prova disso são justamente os movimentos (dentre os quais a RCC e minha comunidade) que tiveram início depois do Vaticano II, agora dizer que a RCC nasceu em Atos 2 é desconhecer totalmente a história do movimento e a história da Igreja em si: não foi a RCC que nasceu em Atos 2, foi a Igreja que recebeu o Santo Espírito para continuar o mistério da Encarnação, a RCC nada mais é do que um setor, um arquipélago de ilhinhas no grande oceano que a Santa Mãe Igreja. Os Apóstolos e muitos discípulos das eras apostólica e sub-apostólica podem sim ter manifestado dons extraordinários, mas eles não eram rccistas e sim católicos, os dons são prerrogativas do Corpo de Cristo, não de uma parte dele apenas. Bom, acho que é isso. Peço perdão pelo longo texto e se por acaso fui desrespeitoso de alguma forma, o caso é que, como diz 1ª Reis "o zelo da casa do Senhor me consome". ;) uma santa terça-feira pra ti. Certa bonum certamen fidei!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Fernanda Sobrinho 08-04-2013 17:58
Pessoal, eu não oro em línguas, não sei se concordo ou se discordo. Gosto de ler os posts para analisar o que vocês (mais estudiosos e aprofundados do que eu) têm a dizer. E concordo com 99%. Nunca consegui (nem tentei) emitir esses sons, até porque sempre entendia que deveria ser uma ação do espírito santo, e como tal, não poderia partir de mim, mas sim do espírito. No entanto, não gosto muito da forma como alguns de vocês opinam. Concordo com a Aline Franco. Acho que temos que dosar o bom humor, a forma como nos referimos a determinados assuntos, pois nossos irmãos que hoje "oram em línguas" podem ter sido orientados por algum sacerdote, enfim. Certamente não estão levando isso na brincadeira. Acreditam ser algo correto, bom, enfim. É só isso! Não me levam a mal. Só acho que devemos ter um pouquinho de cuidado com os exemplos, as palavras...
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Anderson Reis 08-04-2013 17:55
Só quero dizer uma única coisa: Deus faz o que bem quer, da forma como quer e na hora que Ele quiser. Se Ele quer se manifestar assim entre nós tb deste modo e agora, quem somos nós para dizer o contrário ou achar q é uma "desnecessária invenção humana"? Para quem fica brincando com a oração em línguas ou qq outro dom carismático que se manifeste, cuidado! Tratar como dom espírita ou mera invenção humana ou ainda somente autossugestão (q pode até acontecer em alguns casos mais não pode ser generalizado (como muitos fazem tratando todos os padres como pedófilos)) pode levar muitos a pecar gravemente contra o próprio Deus por achar q essa é uma ação de origem demoníaca (como até disseram os fariseus). CUIDADO POIS ISSO É GRAVÍSSIMO! Pra encerrar, nada precisa ser falado pela Igreja ou pela tradição pois já é algo muito explícito em Romanos 8 e I Coríntios 12 e 14. Vale dizer q se houvesse qualquer absurdo escrito nestes livros, estes nem fariam parte da Sagrada Escritura (como ocorreu com a maioria dos Apócrifos).
Responder | Responder com citação | Citar
0 # R 08-04-2013 17:53
Olá amigos catequistas. Creio que seja verdeiro o dom de línguas, e diferentemente do que citou há sim embasamento bíblico para isso. A grande questão é o exagero, creio que poderia ser feito em lugares fechados para estudos e orações, não aberto na comunidade em grupos de oração. Tem gente que pode fingir falar em línguas e fala mais ou menos deste jeito: O Siri que canta lá na praia ou que chupa bala halls. kkkkkkkkkkk. Da mesma forma pessoas que caem no chão quando o Santíssimo passa, há sim um exagero e que a própria renovação desaprova. Temos que tratar com respeito e acho que mesmo o blog o site o catequista tem que tomar alguns cuidados para que não seja exagerado ou sua opinião pessoal possam influenciar as outras pessoas já que não há nenhuma proibição da manifestação da oração em línguas por parte da Igreja FICA A DICA.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Laura 08-04-2013 17:42
xambaricantariurialalaáialalalaiê.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Iza 08-04-2013 17:15
Olá, desculpe a intromissão, mas gostaria de sugerir que vocês falassem sobre o feminismo. Obrigada!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Gabriel Cruz 08-04-2013 15:21
Eu sempre brinquei com isso dizendo que pra fazer oração em linguas bastava repetir "chama maria lá sheila maria melo". Da mesma forma que oração espontanea tinha que usar a palavra "senhor" como vírgula. Brincadeiras a partes, quando era catequista de crisma sempre falei da importância e colaboração dos carismas com suas respectivas particularidades. Mas sempre fui severo quando as particularidades começaram a se tornar universais (como uma oração em linguas ou momento de cura e libertação em retiros de Crisma na paróquia ou pior, durante a própria missa dominical paroquial). Discussões assim são legais para ajudar a mostrar a riqueza de nossa Igreja e deixar claro que certas coisas são pra certos momentos e principalmente, devem ser feitas com todas as razões colocadas para que não gere mais confusão. Grande Abraço Catequistas
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ramon Pontos 08-04-2013 15:14
Eu nao entendo porq vc diz que não existe referência bíblica sobre isso quando todos nós podemos achar uma bem clara: “E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. Atos 2:4″
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # A Catequista 08-04-2013 15:31
Ramon, Nós já demos a resposta a essa mesma pergunta para a Andressa, em um dos comentários acima. Então, vou repetir as mesmas palavras aqui. Se você ler bem o post você vai entender. Como o Pe. Paulo Ricardo deixou bem claro, a oração em línguas não tem nada a ver com o dom manifestado pelos Apóstolos imediatamente após a vinda do Espírito sobre eles, em Pentecostes. E nem poderia ter: em Pentecostes, fica bem claro que todos os estrangeiros entendiam o que os Apóstolos pregavam, cada um em sua própria língua. Já a oração em línguas, como o Pe. Jonas Abib afirma, é uma lingua que ninguém entende.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Aline Franco 08-04-2013 14:59
"E, quanto ao nosso tom de humor, nossos leitores já deveriam estar acostumados." Me desculpe, mas acho que o tom do humor aqui foi exagerado! E é claro que cada um deve expressar sua opinião.. mas acho que dentro do limite.. ai já estão fazendo "piadinha" do assunto. Acho improvável uma grande quantidade de pessoas orarem em línguas simplesmente por autossugestão! Digo isso por experiência própria! Já orei em línguas quando participei de retiros da RCC de forma que nunca havia acontecido antes.. Como já foi discutido aqui, cada um interpreta as passagens bíblicas de uma maneira, afirmando ou discordando.. Se nem isso e nem a interpretação de padres e por testemunhos não convence de que a oração em línguas é uma verdadeira manifestação do Espiríto Santo então acho que só passando pela verdadeira experiência.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Hugo Farias 08-04-2013 15:57
"Acho improvável uma grande quantidade de pessoas orarem em línguas simplesmente por autossugestão!" Aline, justamente por haver 'uma grande quantidade de pessoas' que eu acho mais provável. Como a glossolalia, ou dom de línguas, é um dom, não faz sentido a manifestação em massa. A História da Igreja e as vidas dos santos mostram que essa classe de dom é extraordinária, ou seja, surge em poucos casos. Normalmente a pessoa que manifesta um dom desse já está muito avançada na santificação, no caminho ascético. Não vemos muitas pessoas manifestando o dom da xenoglossia ou da bilocalia, não é mesmo? Nem muitos estigmatas. Note que pe. Pio tinha tudo isto, e veja o quanto era santo. Se os casos fossem raros, seria muito difícil negar, até por prudência, mas o fato de serem muitos supostos casos é o maior depoimento de que seja falso. Afinal, é perfeitamente lógico que em um grupo grande fazendo isso muitos só estejam imitando. Até as respostas da Missa em vernáculo as pessoas simplesmente imitam, sem entender. Quanto ao sentir para ter certeza, eu exponho algo que é puramente opinião pessoal. Sentir não prova nada. A razão, como diriam os racionalistas, prova; ou como aprendi com Santo Agostinho, Deus também pode te dar a certeza de algo, e essa seria a virtude teologal da fé. Num sonho nós podemos sentir coisas muito reais, frequentemente eu sinto emoções e sensações muito intensas e reais, mas quando acordo... Eram sonhos, era mentira. Claro que não podemos condenar o sentir com isso, Deus pode dar o sentir como um consolo ou confirmação, mas é uma fé firme que vai dar abertura para um reto sentir. Ainda, muitas vezes eu me sinto muito mal quando vou rezar o terço, por isso eu devia parar? É ruim porque eu sinto quase repulsa, às vezes? Não. Mas ao mesmo tempo, se sentir um prazer sobrenatural só será melhor. Primeiro a fé e a razão me disseram que o terço é bom, o que eu sentir só vai complementar algo firmemente embasado.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Anderson Reis 08-04-2013 18:00
Discordo completamente qdo vc disse que "Normalmente a pessoa que manifesta um dom desse já está muito avançada na santificação". É exatamente o contrário! Deus dá esse dom pra qm sabe q é pecador e q precisa ser santificado. Como disse Jesus, "é o doente que precisa de médico, não o são!" O remédio (no caso a glossolaria, oração em línguas) é para qm está em santificação, não pra qm "já é bem santo".
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Hugo Farias 08-04-2013 20:58
Entendo, mas por que justamente a glossolalia se manifestaria em pessoas mais abaixo na via purgativa, talvez em grandes pecadores? Afinal com os outros dons extraordinários tem-se verificado que aparecem em santos. O que teria esse dom que o faria remédio, diante dos outros que não o são?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Hugo Farias 09-04-2013 14:16
Cadu, Primeiramente, o seu argumento é inválido (desculpe se a expressão parecer agressiva, eu a uso por influência da lógica matemática). Eu não afirmei que ser santo implica em possuir dons, também não afirmei que os dons surgem se e somente se a pessoa for muito santa (o que seria uma biimplicação, uma coisa dependendo da outra). Bem como o Anderson também não fez nada similar aplicado aos pecadores. De fato se o dom é verdadeiro, Deus, em Sua liberdade, o concede a quem quer e quando quer, contudo não sejamos muçulmanos, que evitam a ciência (e com isso quero destacar a busca de padrões) porque Deus pode mudar isso a qualquer momento. Nisso eles estão certos, Deus pode fazer isso, pode mudar tudo, mas não costuma fazê-lo. Por isso, diante dessa praxe de Nosso Senhor em investir em padrões e da escassez de ensinamento magisterial sobre esse assunto, parece justo tentar olhar para casos conhecidos e tentar entender como funcionam a fim de encontrar a presença ou ausência da mão de Deus. Isso e a discussão podem nos ajudar a retirar a trave de nossos olhos e ou aceitar mais um ato de bondade de Deus ou nos afastarmos de algo que seja apenas charlatanice dos homens. Afinal, creio para entender e entendo para crer. Não se trata de medir, mas de sermos prudentes em não recusar um dom de Deus ou aceitar uma mentira, cujo pai é conhecido.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 09-04-2013 12:25
Ambos vocês estão medindo o poder onipotente de Deus com uma regra humana, não é assim. Se o dom é verdadeiro Deus dá a quem Ele deseja, quando deseja e se deseja, não é certeza de nenhum grande santo possuir dons extraordinários (muitos os tem mas não significa que possuí-los seja sinal de grande santidade porque se eles são verdadeiros Deus é quem os concedeu). Muitos santos como os Padres Apostólicos não tinham grandes dons e nem por isso deixaram de ser grandes santos, cito por exemplo Santo Atanásio de Alexandria por exemplo: ele foi um baluarte da verdade e nem por isso (pelo menos até onde conheço) ele tinha dons extraordinários.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Thiago 08-04-2013 14:44
Já fui de igrejas batistas e pentecostais. E esse negócio de falar em linguas é uma mentira danada. Por que todos falam a "mesma" lingua? É balaia kandra para ca, shirianda calamalaia pra lá... são sempre as mesmas palavras ou síbalas. Por que ninguém começa a falar em russo ou japones ou outro idiota? Ou mesmo um "idioma de anjo" completamente diferente dessas sibalas? É tudo auto-sugestão mesmo. Inclusive participei de um culto que o pastor nos incentivava a fechar os olhos e a falar qualquer palavra que aparece a mente. POis assim estariamos nos inspirando pelo espirito santo e o dom de falar em linguas apareceria.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 08-04-2013 15:20
Maior imbecilidade dos pentecostais essa ideia de forçar o Espírito Santo ou de "treinar" pra que Ele se manifeste, isso é apostasia na minha opinião: o cara perdeu a fé na Onipotência e ele tenta a Deus para que a Onipotência PRECISE SE MANIFESTAR na frente dele, oh glóriaaaa!!!! Lembremos que os dons são dons por si sós e se eles lá estão aparecem por vontade do Espírito e aceitação do fiel.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # MaFê 08-04-2013 18:32
Mas isto acontece também com a gente. Já frequentei retiros de RCC que os pregadores pediam para repetir "Glória Aleluia! Glória Aleluia! Glórialeluia...". Tinha gente que achava legal "Ah, o louvor traz os dons!" Mas eu comecei a achar meio forçado dizer estas palavras especificamente para começar a chama-lá-a-Mãe-chama-lá-o-Pai. Eu tenho uma história interessante (testemunho): tive este dom por dois anos (simplesmente veio, não foi autossugestivo) e posso dizer que me ajudou a ter uma conversão, um amor e um zelo maior pela Igreja. Até o momento que aquilo virou apenas questão de eguinho autossugestivo. Percebi isto a tempo e pedi pra Deus pra tirar se fosse puro eguinho. E desde então não oro mais em línguas.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 09-04-2013 12:20
Eu já tive momentos como o seu por isso corroboro sua experiência. Quanto a este "forçar a barra" de alguns grupos da RCC, lave sim ir até lá e mostrar a verdade.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Hugo Farias 08-04-2013 14:42
Há algo que me inquieta sobre essa explicação de que você começa a falar os sons sem sentido e o Espírito Santo acrescenta significado. 1. Como então discernir se você realmente tem esse dom ou não? Uma vez que ninguém entende e o Divino Espírito pode ou não te conceder o dom (e vale lembrar que dons extraordinários são extraordinários e não para qualquer fiel que comete pecados mortais corriqueiramente), como saber se Ele está acrescentando significado ou se você só está como uma criança tentando cantar em outro idioma? Alguns falam em sentir. Eu pessoalmente tenho medo desse sentir. Como diz meu diretor espiritual, as pessoas hoje sentem demais. Admiro a fidelidade de santos que não sentiam nada. Até porque não creio que sejamos tão bons para saber se um sentir vem do Céu. (Sou meio cartesiano...) Mas mesmo assim, no vídeo o Monsenhor não me parece estar sentido nada. Parece apenas confiar que aqueles sons tem algum significado. 2. A sugestão que fica é: quando você não souber o que pedir a Deus, ore em línguas e o Espírito Santo vai rezar por você. O ensinamento de sempre da Igreja (que encontra eco nos santos) fala do Pai Nosso como a prece que trás tudo que devemos e precisamos pedir a Deus. A confiança do "seja feita a Vossa vontade" para mim já é uma prece muito completa e santificante. Quando eu não sei mais o que pedir ou como pedir, eu prefiro dizer ao Senhor que seja como Ele quiser, ou rezar um Pai Nosso, na confiança de que aquela oração é perfeita e traz tudo nela. Agora note, eu não sou um descrente da glossolalia, mas também não tenho confiança nela. Para mim pode ser que em raríssimos casos, e num certo grau de santidade, possa surgir, mas então fica o conselho de São Paulo (e pasmem, confirmado por uma orientação da CNBB) de que guarde-se isso para a oração privada. Santos que tinham dons extraordinários normalmente evitavam revelá-los em público. Ainda assim, eu sempre pensei então na pessoa conseguindo entender o que dizia, ou pelo menos começando a dizer em uma dessas "línguas" conforme fosse entrando num tipo de êxtase místico no meio da oração. Último detalhe: se você crê ou não na glossolalia e se crê, independente de como crê, a coisa tá esculhambada. Ontem eu escutei um rapaz falando que foi num retiro em que o padre chamou todo mundo pra fazer um "Amém em língua", e parece que o povo foi todo mundo fazendo o mesmo som, no melhor estilo "Ola".
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alison Luiz 08-04-2013 14:23
Salve Maria!!! Excelente blog e excelentes textos, quem dera se muito carismático fosse assim. Eu participei por 10 anos e achava o supra-sumo da Igreja que o Vaticano teria que ser assim, e quem não fosse seria uma "má" pessoa. Mas os anos passaram e NSJC foi moldando em vários caminhos para minha saída, e o problema está na "fé infantil" de 99,9% dos que estão lá, mesmo sendo católicos e buscando o bem para a Igreja, mas os santos me tiraram de dentro da rcc, ora por que é de questionar, se é um "dom EXTRAORDINÁRIO", poucos terão o dom de línguas, pois é Deus quem dá e não um Padre qualquer que me "ensina" a orar, por exemplo São Pe Pio de Pietrelcina, tem um claro dom de línguas, pois confessava a todos que qualquer parte do mundo, como se fosse nativo, e diferentemente dos G.O RCC, no convento de Pe Pio, só ele era agraciado por Deus com tais carismas e outros mais, dai em diante questionei a "veracidade" de ditos carismas em mim, ai percebi que poderia estar me enganando com o que eu achava ser um autentico carisma... sem falar na tremenda falte de conhecimento da doutrina da Igreja e cada vez mais sem um "cavalo-de-Troya" protestante dentro da igreja, trazendo o "modus operantes" das seitas desgraçadas... quando começei a ler e estudar (por misericórdia divina) a Igreja pelos olhos dos santos padres, percebi que tudo alí não passa de perda de tempo. Abraços e continuem com esse brilhante apostolado.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Miguel 08-04-2013 13:56
Apenas por não poder aferir com nossa "razão teológica" podemos dizer que ele não existe? Brincar com o dom, com seu "lek lek", não seria Blasfemar? Afinal dar o que é de Satanás a Deus é desaconselhável.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 08-04-2013 17:48
Miguel, Eu não chamaria a total ausência de referências nos documentos do Magistério, a ausência da biografia dos santos, a condenação de coisas similares pelos primeiros Padres de "apenas". Me parecem razões fortes para fundamentar a minha descrença. Então, já que eu parto do princípio de que não é um dom do Espírito Santo, então, não estou blasfemando.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Renan Barbosa 08-04-2013 13:46
Não sou muito fã da RCC. Não por não concordar, mas sim por não conhecer mesmo. Tive algumas experiências com a Comunidade Nova Aliança que veio para Belém a algum tempo e vi de perto esse negócio de oração em línguas (pelo menos na nossa Igreja). À primeira vista, deu um nó na cabeça de tanto pensar que marmota era aquela. Depois de muito tempo, quando comecei a buscar conhecimentos, cheguei ao Veritatis Splendor e conheci os textos do Carlos Martins Nabeto e do Alessandro Lima. Este segundo escreveu sobre o Dom de Línguas o melhor esclarecimento que já tive sobre o assunto. Segue o link que vcs podem visualizar o pdf: http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=7&ved=0CFEQFjAG&url=http%3A%2F%2Ffirmatfides.files.wordpress.com%2F2011%2F12%2Falessandro-lima-o-dom-das-lc3adnguas.pdf&ei=SN9iUY3TMcq_0gGInoA4&usg=AFQjCNGiojBL7E_vYVvvLpSdRIuSEImmgg&bvm=bv.44770516,d.dmQ Pessoal d'O Catequista. Curto muito seus posts. O modo como abordam os temas, com esse humor característico de vocês, que certas vezes acabam gerando mais polêmica do que os próprios temas, rsrs. Espero que essa página continue dando bons frutos e satisfazendo a sede de informações dos nossos irmãos. Paz e Bem!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 08-04-2013 13:34
Ok, ok já dizia Senor Abravanel kkk, vamos lá: 1) Sei que isso vai chocar alguns mas eu já passei por momentos assim pois minha comunidade de origem, a pesar de não ser vinculada à Renovação, tem sua gênese sim no impulso neo-catecumenal com sim algumas coisas dos movimentos carismáticos mesmo ela sendo bem diferente de fato da Renovação. O que penso sobre o assunto? Penso que a pesar de controverso, não é um inimigo o dom de orar em línguas desde que seja reto o seu uso e sua fidelidade à Igreja e à Sã Doutrina e se por acaso a Igreja se manifestar contrária, que todos os seus "possuidores" a reneguem e não mais a utilizem. 2) Se a interpretação dada pelos carismáticos em Romanos 8, 26 é incorreta, pergunto-me então qual seria. As palavras que São Paulo utiliza são argumentos fortíssimos (para mim) que corroboram ao mínimo a intenção dos carismáticos: "gemidos inefáveis"; ou seja coisas inaudíveis (não-faláveis normalmente) e que são incompreensíveis (gemidos). Aqui, faço como A Catequista, dou minha opinião: acho que até hoje a melhor interpretação seja a dos carismáticos. 3) Ao debatermos coisas assim devemos ter acima de tudo fidelidade à Mãe Igreja e nos comportarmos tal qual católicos (conforme o todo) sem deixar de acolher os diferentes carismas, desde que lógico todos professem a verdade da Sã Doutrina. Muito bom o post Vivi.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Italo Braga 08-04-2013 13:23
Tomate está caro catequista kkkkkk Abraço!
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Tiago Noronha 08-04-2013 13:15
KKKKKKKK... Sempre rio bastante com os posts de vocês! Parabéns mais uma vez! Sei que a questão é controversa, e O Catequista já tomou partido: "Não vou enrolar: eu não creio que a oração em línguas seja um dom carismático, não creio que seja uma oração impulsionada pelo Espírito Santo. Não vejo ali mais do que mera autossugestão: a pessoa entra no barato, na onda do grupo, e se convence de que está num semi-transe" Sou Carismático desde os 13 anos, oro em linguas desde então, então não vou aqui tentar provar o contrário, pois acho que a questão está bem esclarecida pra O Catequista, mas se posso dizer algo sobre mim, é algo vivo, sinto, não me vanglorio de orar assim e outros não... e sei muito bem que é algo muito pequeno perto de outros dons carismáticos, é algo de viver, não de explicar... Só isso.. Amém. (Adoro o blog, viu... Sei que vai ter uns partidários que vão se "estrepar" com esse post, mas precisamos ter respeito por posições diferentes, a Igreja é assim mesmo, diversa, porém, ainda assim, una) Abraços.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Carlos 08-04-2013 13:14
Não contesto o que foi dito. Mas quero apenas citar alguns fatos: - A única oração ensinada por Jesus (pelo menos a única citada pelos evangelistas) é o Pai Nosso. Mas nem por isso é a única oração que rezamos. - Talvez (apenas uma suposição, não sou um estudioso da história da Igreja, ainda pretendo ser), justamente por causar estranheza, esse tipo de oração tenha sido desestimulada com o tempo, como podemos ver nas citações de Santo Irineu, Eusébio de Cesareia e Orígenes. Por isso concordo com o Pe. Paulo quando diz que devemos ter cautela sobre onde e em que momento devemos orar. - Posso dizer como participante há muitos anos, que existem sim muitos abusos e distorções na RCC, na mesma proporção em que existem em toda a Igreja, e isso tem que ser corrigido. Quero concluir dizendo que realidades espirituais muitas vezes são de difícil explicação e fundamentação. Portanto, penso que apenas podem ser compreendidas quando experimentadas. Como disse, participo de grupo de oração da RCC há muitíssimo tempo e posso dizer por experiência própria que o dom de línguas nos edifica na fé e na espiritualidade. Por fim, tenho muita admiração e respeito por vocês, mas acho que comparar a oração em línguas com essas músicas ridículas foi um pouco demais. Sei que esse é o estilo de vocês escreverem, mas é apenas a minha opinião. Paz e Bem.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # J. Everton 08-04-2013 13:05
Siri-canta-lá-na-praia-lava-sunga-lava-saia... rs Esse negócio de línguas estranhas aí parece não ter nada a ver. Na leitura da Bíblia, "falar em línguas" sempre pareceu falar em outros idiomas (inteligíveis).
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Anderson gabriel 08-04-2013 13:01
Sou contra A muitos padres q não areditam a renovação carismatica só pq o papa não acreditava não quer dizer que não exista ! outra a pessoas que entendem sim a oração em linguas e inclusive conseguem traduzir jah presenciei e ja tive um contato com esse tipo de coisa! se vc pesquisar a oração em linguas jah ajudou sim bastante gente “E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. Atos 2:4″ como disse é consedido sim o entendimento depende do grau da fé da pessoa tbm! quanto a oração como diz jesus realmente não ensinou ninguem a orar em linguas. e tbm não ensinou outra oração alem do pai nosso. O pai nosso foi para ensinar a quem não sabia orar com suas palavras afinal Deus quer um afeto maior orar num é soh palavras escritas e decoraddas. orar é falar com Deus meditar os seus misterios não é algo pra se decorar e sim praticar Jesus Deu o pai nosso Para praticar a oração e é triste ver muitos catolicos quie nem o pai nosso sabe orar. Então gente não vamos dar uma de cientistas ou donos da verdade pra dizer se uma oração é ou não veridica. se os misterios são pra ser vividos e não intendidos! paz e bem
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Denielson 08-04-2013 12:58
Esse mesmo pensamento que compartilho!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cleber de Souza Cunha 08-04-2013 12:58
Gostei muito do texto. Acredito que se durante a oração alguém se sentir impulsionado a falar em línguas, que seja uma língua que existe. o dom de falar em línguas seria uma outra forma de evangelizar pessoas de outras nações. Tenham um bom dia!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Italo Braga 08-04-2013 12:58
Discordo com o pensamento do Daniel no que se refere ao dom da interpretação de línguas. Não há necessidade de se interpretar a oração em línguas, pois se a pessoa soubesse o que estava dizendo seria melhor falar com suas próprias palavras. A oração em línguas é justamente feita quando não se sabe mais o que pedir e nem como pedir. Ela é direcionada para DEUS e por tanto as pessoas não precisam saber. O dom de interpretação só é exercido quando se tem uma profecia, feita em línguas, para a assembléia.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel 09-04-2013 10:10
Meu amigo, primeiramente, vc foi educado, logo serei educado. Somos o mesmo povo católico apostólico romano, então n vamos discutir ok? Mas eu vou discordar d vc de novo (e somos livres para discordar d um assunto q o Magistério da Igreja nunca se pronunciou), e farei isso concordando N acho a oração em línguas um fenômeno verídico, duvido q seja ação do Espírito Santo, por que n edifica, apenas confunde e gera uma histeria coletiva. Além do fato de ser um fenomeno muito comum na America Latina APENAS, e somos uma Igreja para todas as nações. Mas veja bem, se é uma oração direcionada para DEUS como vc flw, pq fazer isso em público, num auditorio lotado? Pra que fazer isso em MISSAS??? Entende? N acho q seja um dom legitimo, mas eu POSSO ESTAR ERRADO. Porém acho q as pessoas q justificam o dom com S Paulo, deviam fazer como apregoa S Paulo, e guardar para momentos privados, ja q é uma oração para DEUS apenas e só ele entende...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luis 08-04-2013 12:56
Isso aqui em Portugal felizmente não existe. Já tinha ouvido falar, mas se não visse não acreditava. Que coisa mais ridícula. O que me espanta é haver quem siga uma tolice destas. Enfim... a Igreja hoje em dia está um bocado como o mundo, parece uma manicómio. Para todos um gugu dádá blá blá blá xiripipi
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daiane 08-04-2013 13:08
Não podemos generalizar.. Pois esse carisma é bíblico sim, e não deve ser ridicularizado.Sei que hoje isso está banalizado e tudo mais, mas como qualquer carisma é dado pelo espírito santo de Deus.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 08-04-2013 13:16
Daiane, A discussão está aberta, não estamos afirmando nada definitivo. Não é proibido questionar um tema que jamais recebeu qualquer parecer da Igreja, certo? E, quanto ao nosso tom de humor, nossos leitores já deveriam estar acostumados. Você diz que a oração das línguas é um dom bíblico, mas isso é altamente contestável. Como já dissemos aqui, não pode ter a ver com o que ocorreu em Pentecostes, já que está claríssimo que todos entendiam o que os Apóstolos diziam, cada um em sua língua nativa. Aí sobra I Coríntios 14, cuja interpretação também é controversa.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # jose michel 08-04-2013 14:39
eu vi a seguinte passagem na Bíblia: “Aquele que fala em línguas não fala aos homens, senão a Deus: ninguém o entende, pois fala coisas misteriosas, sob a ação do Espírito.” (I Cor 14, 2) Tendo em vista isso, o que pensar a respeito,
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 08-04-2013 19:02
Jose Michel, O Robby fez a mesma observação, e já respondemos ao comentário dele aí acima. São Tomás interpreta este trecho muito bem, e não o relaciona a nada parecido com a oração em línguas que dizem fazer hoje.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Robby Santos 08-04-2013 12:54
Olá, meus grandes amigos dO Catequista! Gostei do post, e queria que vocês esclarecessem uma dúvida. Como vocês disseram, não há base - pelo menos até onde vimos - nas Sagradas Escrituras, Sagrada Tradição e nem no Sagrado Magistério sobre tal explicação para se orar o "labaxúrias xuricanta". Mas contudo, porém, entretanto e todavia, eu vi a seguinte passagem na Bíblia: "Aquele que fala em línguas não fala aos homens, senão a Deus: ninguém o entende, pois fala coisas misteriosas, sob a ação do Espírito." (I Cor 14, 2) Tendo em vista isso, o que pensar a respeito, observando que o próprio Mons. Jonas utiliza essa passagem pra justificar essa glossaria?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 08-04-2013 18:54
Robby, Sobre essa passagem que você citou, há uma explicação muito boa no material sobre a oração em línguas produzido pelo Veritatis Splendor. Colo o trecho aqui: Objeção 3: São Paulo em 1 Cor 14,1-4 reconhece existir um tipo de dom de línguas que é ininteligível aos homens que é usado para se falar somente a Deus. Resposta: São Paulo não diz que o dom de línguas é ininteligível aos homens, mas que "ninguém o entende, pois fala coisas misteriosas, sob a ação do Espírito" (cf. 1Cor 14,2). Santo Tomás comentando este trecho ensinou: “Também é falar em língua o falar de visões somente, sem explicá-las. [...] Mas o que só a Deus é falado, compreende-se que o próprio Deus fala. Pelo qual disse: Mas o Espírito de Deus fala mistérios, isto é, coisas ocultas (1Cor 14,2). Porque não sereis vós que falareis, senão o Espírito de vosso Pai é que falará em vós. (Mt 10,20)." Logo, quando se fala a Deus em línguas, fala-se coisas misteriosas e não palavras sem sentido.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Paulo Ricardo Costa Pinto 08-04-2013 14:04
Robby, A resposta para a questão é: shabláversdesfdgdeduidduddupopeyebrutusscoobydoosa lsichagerusesaduxicadasilvawalmorchagas. Que dá: meninas superpoderosas. Falando sério, o tema está em aberto, e, particularmente só posso mesmo filosofar sobre o tema. A Igreja não se posicionou porquê, muito embora possa parecer um fenômeno grande, não ultrapassa muito as fronteiras de nosso amado bananistão. Isso vai nos levar longe, começando com essa falácia de que o Brasil é o maior país católico do mundo. Nosso catolicismo é sincrético e extremamente esculhambado. Aqueles que buscam preservar a Sã Doutrina penam muito na mão desses esculhambadores. A questão das línguas tem muito a ver com isso. Só para não ficar muito longo, vamos nos ater somente a Coríntios 14,2 aqui, ok? Veja o que São Paulo diz: "... não fala aos homens" (não estou tirando do contexto, apenas estou destacando). Se não fala aos homens, para quê fazer isso em público, como prega o Monsenhor? Tá querendo aparecer? Os fulanos que eu vi na CN, que se identificam como "glossoladores" são a quintessência da falsa modéstia: adoram lembrar ao restante da ralé que falam "ni língua" como se isso os distinguissem da ralé que só fala português. Pode ser que a glossolalia tenha uma função muito importante para a edificação e a salvação pessoal, pode ser que ao iniciar a oração fenômenos cerebrais ainda não identificados a provoquem, talvez a forma primordial da terra tenha sido a de uma banana nanica. E daí? Tentemos ser Santos e nos mantermos dentro da fidelidade para com a Esposa de Cristo. Oremos o Terço todos os dias, vamos participar da Ceia do Senhor. Isso é o que realmente importa.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Robby Santos 08-04-2013 15:24
Paulão, valeu pela resposta. Eu quis apenas destacar isso, mas acho que é um assunto para ser mais aprofundado. O professor Alessandor Lima, do site Veritatis Splendor, lançou um livro recentemente sobre esse tema. Ainda não adquiri, mas depois vou ver se compro.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Claudio Campos 08-04-2013 12:52
Concordo com a Catequista Há essa diferença entre o dom de pentecostes que foi uma Xenoglasia e o dom de linguas que é um fenomeno que não ocorre APENAS na Igreja Catolica, em diversas religiões esse fenomeno, que é muitas vezes um estado alterado da mente se manifesta. Não é algo voluntario como a RCC faz parecer. Santa Teresa D´Avila tem um texto sobre os tres niveis de oração que fala sobre isso.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Andressa 08-04-2013 12:10
Eu nao entendo porq vc diz que não existe referência bíblica sobre isso quando todos nós podemos achar uma bem clara: "E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. Atos 2:4"
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Paulo Ricardo Costa Pinto 08-04-2013 13:48
Em outras palavras, o Espírito Santo deu aos Apóstolos o dom de falar línguas ÚTEIS PARA EVANGELIZAÇÃO. Eles só sabiam falar aramaico. Depois de Pentecostes eles continuaram falando aramaico, mas ao se comunicar com um grego, com um persa, com um escandinavo, com um ibérico, esses ouviam sair da boca dos Apóstolos o som de suas línguas perfeitametne INTELIGÍVEL. Vou me render no dia que shablábláierarieturmadaxuxa fizer algum sentido real.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ana Maria Allgayer 08-04-2013 22:21
Muito bons teus comentários, Paulo! Obrigado por falar por mim, no caso.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daiane 08-04-2013 13:02
Essa passagem de atos se refere a línguas estrangeiras, em que tais pessoas que conheciam as línguas podiam entender, tanto que logo depois está escrito "E, quando aquele som ocorreu, ajuntou-se uma multidão, e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua. Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos? Atos 2:8-9
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Hugo Farias 08-04-2013 12:22
Andressa, mas a Catequista falou ligeiramente sobre as referências do livro de Atos sobre dom de línguas. Normalmente, como é bem claro em Pentecostes, essas outras línguas são as dos povos com quem os apóstolos tinham contato. É um dom muito útil para a vocação apostólica. Com ele puderam evangelizar os outros povos.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 08-04-2013 12:17
Andressa, Se você ler bem o post você vai entender. Como o Pe. Paulo Ricardo deixou bem claro, a oração em línguas não tem nada a ver com o dom manifestado pelos Apóstolos imediatamente após a vinda do Espírito sobre eles, em Pentecostes. E nem poderia ter: ali, fica bem claro que todos os estrangeiros entendiam o que os Apóstolos pregavam, cada um em sua própria língua. Já a oração em línguas, como o Pe. Jonas Abib afirma, é uma lingua que ninguém entende.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Fabiana 08-04-2013 12:08
Vida longa ao O Catequista! Estou totalmente de acordo. Ontem mesmo, fui participar de um pequeno retiro para catequistas e lá ocorreu a "oração" em linguas. Eu não faço, pois não acredito. Deus os abençoe, Fabiana
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Patricia 08-04-2013 12:02
Confesso que tenho esse carisma da oração em línguas, mas eu não faço parte de nenhum grupo de oração. Aconteceu quando eu estava assistindo a Canção Nova... e é controlável sim. Só que eu nunca sei quando se usar esse carisma, onde ele se encaixa, já li várias vezes o que São Paulo diz em sua carta, mas realmente não tenho ciência de usá-lo. Confesso que acho terrível ir a missa de grupos de oração, carismáticos e eles começam a orar em línguas no meio da missa! Por tal motivo, evito ir à missa de grupos de oração. Também já assisti as formações de Pe. Paulo Ricardo para entender, mas não existe um motivo explicito para isto. Um carismático de uma comunidade uma vez me disse "você tem que trabalhar esse dom!" (kkkk), mas onde?! Prefiro ficar no meu silêncio adorante.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Paulo Ricardo Costa Pinto 08-04-2013 12:57
Patrícia, Quando eu era "sprita" ouvi a mesma frase - literalmente, letra por letra - só que referente a minha "midiunidade" minha capacidade de transformar-me em um DVD ou blu-ray (entenderam? Ser "mídia"... essa foi péssima). Lembrei de um quadro do Jô Soares (na época que ele era engraçado) em que um mafioso reclamava "não manda a máfia para o Brasil que esculhamba a máfia". O mesmo se pode dizer da Santa Madre Igreja. Ai, como dói!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cláudio 08-04-2013 11:59
Caros catequistas, gostaria de parebenizá-los pelo trabalho que têm feito. Fiquei particularmente feliz com esse post. Depois de alguns eventos e retiros em que apreceram esse "orar em línguas", achei que eu era o único "maluco" que nâo achava isso normal, e justamente pela possibilidade de autosugestão e histeria coletiva que causava. O lance começava me parecer "coisas estranhas do além" que não devemos mexer. Quanto ao vídeo do Pe. Paulo, apesar de gostar bastante de seus esclarecimentos, também o achei muito pouco convincente. Abraços e fiquem com Deus!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel 08-04-2013 11:57
To sentindo q vai vir uma polêmica forte aki. Mas excelente ;) Sempre pensei mais ou menos como o Pe Paulo Ricardo, se ESSA oração em línguas é legítima (oq n tem grande embasamento na tradição ou na bíblia, mas Deus é Deus, e eu sei q n cabe a mim questionar seus planos) eu acredito q n deve ser dessa forma q acontece na RCC atual (q eu AMO e cujos Seminários de Vida no Espírito foram importantes em minha formação), mas sim uma coisa privada, e acompanhado do dom da interpretação de línguas (CURIOSAMENTE, nunca vi um carismático com esse dom :P) Deus abençoe nossa Santa Igreja, e edifique a RCC, q nos deu bons frutos de evangelização.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Bianca Melo 08-04-2013 11:56
Muito legal! Hhehehe :)
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Helder J. F. Lima 08-04-2013 11:55
Essas coisas me parecem os transes de Candomblé numa versão mais light.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Paulo Ricardo Costa Pinto 08-04-2013 11:53
Sobre esse assunto eu tenho uma opinião: halabbá blá-blá-blá merdscudeshabubu, pois zambelê zumbi besouro yosbelle acaba em ahlek-lek-lek, meu tuiutuiu shablucaradicurno nessacadeiahereditáriaquerofalardessasituaçãoprecá ria,de onde temos o azul de Jezebel no céu de Calcutá: feliz constelação. shablablasemsentido algum é luz no corpo dela (ai mina aperta minha mão Alá meu only you). E tenho tido. Acho que fui bem claro.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lucas Lopes Gil 08-04-2013 17:37
Achei seu textp ofensivo e desnecessario. Por mais que vc diga q nao criticou de forma ofensiva, os deboches ficaram bem nítidos. Critica construtiva sempre sao bem aceitas. Fica aqui a dica de um leitor que é da RCC e se sentiu ofendido com a sua critica.
Responder | Responder com citação | Citar
-1 # A Catequista 08-04-2013 12:03
Discordo, Paulo. Shimbalaiê.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Mayara 08-04-2013 11:53
Ótimo texto! Eu era de um movimento da RCC mas depois comecei a pensar sobre a oração em línguas e ler sobre o que a igreja diz sobre ela. Não sou mais da RCC! xD Enfim, isso não significa que deixei de frequentar a igreja e nem de rezar. Gosto muito desse blog. Continuem escrevendo pois aprendo muito :) Abraço!
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade