Publicidade
Sexta, 30 Junho 2017 03:23

O bebê Charlie e a morte da dignidade humana na Europa

Postado por

Oi Povo Católico,

Um bebê doente luta por sua vida em uma UTI, e seus pais fazem todo o possível para manter suas esperanças. Mas, infelizmente, esta é uma batalha perdida. E não foi para a doença do menino. Mas para a ideologia assassina que toma conta da Europa. A Corte Europeia de Direitos Humanos autorizou o hospital a matar Charlie Gard, de apenas 10 meses, contra a vontade de seus pais!

Este mesmo tribunal, que condenou a Rússia por não permitir a união de pessoas do mesmo sexo, ameaçou sancionar a Polônia por seus "excessos conservadores" e luta para permitir a "liberdade" para mães matarem seus filhos no ventre. No entanto, parece não entender como direito humano a luta dos pais pela vida de seu filho. 

É óbvio que estamos diante de mais um desmando de gente que acha que o ser humano não tem sentido se não estiver servindo ao “Estado”. Mas não adianta encarar somente como um problema político. O problema principal é que a Europa virou as costas para Cristo. É um continente de mortos-vivos.

Como pode um povo não reagir diante de um tribunal de direitos humanos que tira um bebê de seus pais e autoriza um hospital a matá-lo? Que hospital é esse? Que justiça é essa? Que povo é esse?

Se a Europa ainda ouvisse a Igreja, talvez isso não acontecesse. A eutanásia é inaceitável! Mesmo que seja feita com a intenção de abreviar o sofrimento do paciente. O número 2277 do Catecismo é bem claro:

Quaisquer que sejam os motivos e os meios, a eutanásia direta consiste em pôr fim à vida de pessoas deficientes, doentes ou moribundas. É moralmente inaceitável. Assim, uma ação ou uma omissão que, de per si ou na intenção, cause a morte com o fim de suprimir o sofrimento, constitui um assassínio gravemente contrário à dignidade da pessoa humana e ao respeito do Deus vivo, seu Criador. O erro de juízo, em que se pode ter caído de boa fé, não muda a natureza do ato homicida, o qual deve sempre ser condenado e posto de parte (58).

Mas e se não houver mais chance alguma? 

Nesse caso, é necessário avaliar os efeitos da continuidade do tratamento.

A cessação de tratamentos médicos onerosos, perigosos, extraordinários ou desproporcionados aos resultados esperados, pode ser legítima. É a rejeição do «encarniçamento terapêutico». Não que assim se pretenda dar a morte; simplesmente se aceita o facto de a não poder impedir. As decisões devem ser tomadas pelo paciente se para isso tiver competência e capacidade; de contrário, por quem para tal tenha direitos legais, respeitando sempre a vontade razoável e os interesses legítimos do paciente. (CIC 2278)

O que definitivamente não é o caso de Charlie! Primeiro porque os pais não estão de acordo. A decisão está sendo tomada pela justiça e pelo hospital. Em segundo lugar porque CHARLIE AINDA TINHA UMA CHANCE!

Sim! Essa história é mais absurda ainda. Há um tratamento experimental nos EUA para a doença do menino e o dinheiro para isso já havia sido levantado. Só que o hospital precisaria manter o bebê vivo por mais algum tempo. Mas eles não querem esperar... Talvez seja exigir demais que todas essas pessoas, afundadas na cultura de morte, entendam o que significa esperança.

Enfim, para nós, que cremos no Deus do impossível, ainda é tempo: reze por Charlie e por sua família.

 

21452 Sexta, 30 Junho 2017 15:27

Comentários   

0 # Adilson 11-07-2017 14:30
e se fosse um bebê muçulmano, como seria a decisão do tribunal? se fosse a mesma, o que não acredito, imaginem o berreiro da mídia, dos justiceiros sociais, etc...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # João Pedro Strabelli 06-07-2017 22:58
Às vezes a gente se pergunta o porquê de algumas coisas, qual é o plano de Deus para nós. Para algumas pessoas Deus revela o que elas tem que fazer, por ser necessário, para outras não, mas sempre deixe o caminho preparado. No caso do bebê Charlie, tenho para mim que Charlie tem uma missão importantíssima: quando antes houve um movimento tão grande a favor de uma vida? De uma vida que todos nós sabemos que só por milagre vai se salva. Um mundo que só que só quer ver direito de dar fim na vida até de crianças não nascidas está se unindo por uma que já está quase no limite. Deus nos dá respostas belas. Mesmo que doloridas, mesmo que difíceis, mas há uma beleza enorme nessa luta. Depois que tudo isso passar, queria que alguém dissesse isso a seus pais.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # João 02-07-2017 14:12
Mas com qual base de ciência médica pode-se afirmar que não se trata de um "procedimento médico agressivo que seja desproporcional em relação aos resultados esperados ou excessivamente onerosos para o paciente", que são desencorajados pela própria doutrina católica, como lembra a nota oficial do Vaticano sobre o assunto (https://padreaugustobezerra.com/2017/06/29/vaticano-lanca-nota-sobre-o-caso-do-bebe-charlie-gard/)?

Não sou cristão, mas atrevo-me a lembrar do conselho de São Tiago no sentido de que ""todo homem deve ser pronto para ouvir, porém tardo para falar e tardo para se irar", o que explica o tom da nota, já que a Santa Sé reconhece que não tem todos os dados sobre o assunto.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Apologeta Anderson 01-07-2017 21:08
A cultura da morte esta cada vez mais entranhada no cenário político. Está na hora de todos nós levantarmos e mudar todo esse cenário. Deixemos de ser apáticos.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Heitor F. de Paula 30-06-2017 19:16
Quanto ao tratamento experimental, pode-se contatar na decisão que esse tratamento nunca foi usado em quem tinha a doença de Charlie, os testes nos EUA foram feitos em pacientes com condição diferente, e um médico consultado dissera que era improvável que desse certo. (link da decisão: http://www.bailii.org/ew/cases/EWHC/Fam/2017/972.html).

Não obstante, não cabe ao Estado imiscuir no caso, a decisão foi vergonhosa! Agora, uma dúvida, é sabido que o aborto acarreta a excomunhão, mas, a eutanásia, apesar de ser pecado mortal, gera excomunhão? Pergunto, pois nos livros de teologia moral se acha excomunhão no aborto, mas nada diz sobre a eutanásia, apesar de que em 2009 Ranjith aduziu excomunhão em um caso de eutanásia (https://oglobo.globo.com/mundo/igreja-catolica-ameaca-excomungar-fieis-ligados-eutanasia-de-eluana-3576067), se assim for, talvez seja a hora exata de a Igreja repensar na possibilidade da excomunhão.
Responder | Responder com citação | Citar
+7 # Marcos Paulo 30-06-2017 16:21
Triste!! Triste!!
Os doentes, os bebês marginalizados ... o que fariam se vissem um homem numa forca? Provavelmente derrubariam o banco; e postariam as imagens, e isso seria heróico pra eles. Pois pensam que isso é ajudar. Tratam as pessoas mais cruelmente do que a civilização antiga tratava os leprosos. Que Deus tenha misericórdia de nós!
Responder | Responder com citação | Citar
+4 # Ronaldo Antonio Ribe 30-06-2017 14:18
Algum comentário sobre a carta do Vaticano?
Responder | Responder com citação | Citar
+5 # Gabriel Godoi 30-06-2017 13:21
Fiquei ainda mais impressionado com a nota frouxa emitida pelo vaticano!
Era a hora de escancarar para o mundo a miséria espiritual e ética em que a europa se encontra, mas não, vamos ser polidos e emitir uma nota "meia boca" para não arrumar confusão e assim imitar Pilatos e lavar as mãos do sangue deste inocente, onde vamos parar povo católico???? uma APOSTASIA dessa vindo de onde veio. Fiquei realmente muito decepcionado.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marcos 30-06-2017 12:49
fica dificil achar que não se trata disso!!!

https://www.youtube.com/watch?v=MbrIGKBDLIw

Na verdade, a vontade, mesmo, é que o Senhor volte logo, por que tá muito difícil ver tanta injustiça, tanto inocente sendo tratado como lixo...
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade