Publicidade
A Catequista

A Catequista

Há uma coisa um tanto esquisita no Evangelho de Marcos: a narrativa dos episódios em que Jesus pedia segredo sobre seus milagres e sobre a sua condição de Filho de Deus. Ele revelou ao grupo restrito dos Apóstolos que era um só com o Pai, mas às demais pessoas, ocultava essa informação. Como a Igreja explica?

Na verdade, não há uma tese fechada, que explique a questão do "segredo messiânico" de forma definitiva. O caso é controverso. Mas optamos por apresentar a visão de um dos teólogos mais respeitados de nosso tempo, Bento XVI:

E insiste sobre este "segredo", porque está em jogo o bom êxito da sua própria missão, da qual depende a nossa salvação. Com efeito, sabe que para libertar a humanidade do domínio do pecado, Ele deverá ser sacrificado na cruz como verdadeiro Cordeiro pascal. O demônio, por sua vez, procura distraí-lo em vista de o desviar ao contrário para a lógica humana de um Messias poderoso e com sucesso. A cruz de Cristo será a ruína do demônio, e é por isso que Jesus não cessa de ensinar aos seus discípulos que para entrar na sua glória deve sofrer muito, ser rejeitado, condenado e crucificado (cf. Lc 24, 26), dado que o sofrimento faz parte integrante da sua missão.

- Bento XVI. Angelus. 01/02/2009

Em outras palavras: Jesus queria evitar que as pessoas o buscassem mais por Seus poderes divinos – e pelas vantagens materiais que elas poderiam obter disso – do que pelos Seus ensinamentos, sua mensagem de apelo à conversão.

Sim, Jesus curou muitos doentes, mas não foi para curar os doentes que ele veio. Ele ressuscitou mortos, mas não foi para isso que Ele veio. Multiplicou pães e peixes, mas não foi para acabar com a fome do povo que Ele veio. Tudo isso Ele fez porque tinha poder e misericórdia, mas o maior bem que Ele veio nos doar foi a Si mesmo – Deus presente entre nós, Deus que nos ensina o caminho da vida, Deus que nos dá a si mesmo como comida e bebida, Deus que nos chama a carregar com amor a nossa cruz.

Sempre que havia um excessivo foco nos milagres, o povo, naturalmente, acabava esperando que Jesus resolvesse todos os seus problemas terrenos – a opressão de Roma, as doenças etc. – e Sua Palavra ficava na sombra, em segundo plano.

Além do mais, a grande agitação popular, motivada pela busca de milagres, atrapalhava a missão de Jesus, o anúncio da Boa Nova. Ele ficava até mesmo impedido de pregar. É o que vemos no primeiro capítulo de Marcos...

Aproximou-se dele um leproso, suplicando-lhe de joelhos: "Se queres, podes limpar-me." Jesus compadeceu-se dele, estendeu a mão, tocou-o e lhe disse: "Eu quero, sê curado." E imediatamente desapareceu dele a lepra e foi purificado.

Jesus o despediu imediatamente com esta severa admoestação: "Vê que não o digas a ninguém; mas vai, mostra-te ao sacerdote e apresenta, pela tua purificação, a oferenda prescrita por Moisés para lhe servir de testemunho." Este homem, porém, logo que se foi, começou a propagar e divulgar o acontecido, de modo que Jesus não podia entrar publicamente numa cidade. Conservava-se fora, nos lugares despovoados; e de toda parte vinham ter com ele. (Mc 1, 40-45)

O ex-leproso desobedeceu a Jesus e espalhou o milagre para a torcida do Flamengo. Graças a isso, não havia mais jeito do Senhor espalhar Sua Palavra nas cidades, devido ao tumulto que gerava.

Os milagres de Jesus confirmam a fé dos discípulos, como um sinal maravilhoso do Seu poder divino. Mas devemos saber que, antes de tudo, deve nos interessar a Sua Palavra, que nos pede amor, nos adverte sobre os atos que levam ao Inferno e nos pede mudança de vida.

O grande místico São João da Cruz falava que “a fé vem pelo ouvido”, e devemos acreditar “antes ouvindo do que vendo”:

A estima exagerada dos milagres, cujo poder lhe foi dado, desvia-o muito do hábito substancial da fé que por si mesma é hábito obscuro; e assim, onde abundam os prodígios e os fatos sobrenaturais, há menos merecimento em crer. (...)

Vemos, portanto, que não é condição de Deus fazer milagres, antes, ele os faz quando não pode agir de outro modo. Foi por isso que censurou aos fariseus: "Vós, se não vedes milagres e prodígios, não credes" (lb. 4,48). As almas cuja afeição se emprega nessas obras sobrenaturais sofrem grande prejuízo quanto à fé.

- São João da Cruz. A subida do Monte Carmelo. Livro III, Capítulo XXXI, parágrafos 8 e 9

O "segredo messiânico", tão destacado no Evangelho de Marcos nos ensina que a nossa fé não pode depender e ser motivada apenas por milagres. Sim, Deus faz milagres, mas não devemos supervalorizá-los. Afinal, é sobretudo na banalidade dos gestos cotidianos, de um telefonema a um amigo, de um abraço, de uma louça lavada com boa vontade, que o nosso caminho de santidade se constrói. É dessas coisas que nossa vida é feita, muita mais do que de acontecimentos extraordinários.

*****

Você pode ajudar a Missão de O Catequista a chegar ainda mais longe. Faça isso agora! Acesse http://catarse.me/ocatequista e apoie nosso trabalho!

Alguém já ouviu falar em feministas indo viver na África, para socorrer as prostitutas mais pobres? Eu, nunca! Mas na Igreja Católica, há padres e religiosas que se dedicam a esse nobre serviço.

Imitando Jesus Cristo, que se sentava para comer e conversar com as prostitutas, Padre Hermann, um missionário alemão, doou a sua vida a essas mulheres marginalizadas. Com sua ajuda, milhares de mulheres já mudaram de vida.

Ele atuou por muitos anos na cidade de Katatua, na Namíbia (África). Nessa reportagem fotográfica, vemos um pouco da história de Pe. Hermann e de suas “filhas” em Cristo.

As fotos são de Christian Bobst, um fotógrafo suíço, e foram tiradas entre 2008 e 2017. A reportagem é de Mauricio Artieda, para o site Catholic Link.

O PADRE HERMANN

O Pe. Hermann visita frequentemente as mulheres, para ver se precisam de ajuda. No início não foi fácil que confiassem nele, mas pouco a pouco ele se tornou um pai para elas.

Ele fundou um refúgio em Katutura, onde essas mulheres e seus filhos podem passar momentos de descanso, receber alimentos básicos e encontrar uma comunidade de apoio emocional e espiritual.

O REFÚGIO

Nesta imagem, Pe. Hermann entrega leite em pó para impedir que estas mulheres amamentem seus filhos. Assim, elas não passarão o vírus da AIDS para eles.

Além disso, o Pe. Hermann recebe doações semanais de roupas usadas, e as distribui. A caderneta do sacerdote é famosa: é um homem muito organizado e sabe perfeitamente quem precisa do que, quanto e quando.

É importante dizer que muitas mulheres se aproveitam de sua condição de vítimas e se aproveitam da generosidade do Pe. Hermann e de sua instituição.

FÉ, AMOR E ESPERANÇA

Todas as mulheres do refúgio ganham uma Bíblia. A AIDS faz com que muitas delas percam a esperança, e a palavra de Deus as ajuda.

Nesta foto, Pe. Hermann consola uma mulher que sofre de depressão severa, depois de perder um de seus filhos. Muitas prostitutas sofrem de depressão severa e pensamentos suicidas, especialmente quando contraem AIDS.

IRENE, CECÍLIA E MARIA     

Irene, Cecilia e María foram vendidas por sua mãe, que era alcoolatra. A foto foi tirada em 2008. Depois da morte de Irene, em 2010, Cecilia e María denunciaram sua mãe, que foi presa.

ALEXIA

Quando tinha apenas 13 anos, Alexia foi estuprada por seu pai, e ficou grávida. No momento do crime, a mãe estava no hospital. Ela não suportou a notícia e morreu um dia depois que a filha lhe contou tudo. A família culpou Alexia pela morte da mãe e a expulsou de casa. 

HANNA

Pe. Hermann conforta Hanna, de 37 anos. Ela nunca conheceu sua mãe nem seu pai. Não tem estudos. Se tornou prostituta aos 16 anos. Há alguns anos, uns chineses lhe prometeram uma vida melhor, e pagaram por todos os documentos para sua mudança para a China. O padre, porém, a convenceu a permanecer em Katutura, evitando o pior para a sua vida.

UM PADRE QUE CARREGA A SUA CRUZ

Pe. Hermann descansa em seu apartamento de Pioneers Park. Se sente constantemente cansado e tonto, pois sofre de atrofia cerebral e diabetes. Nos últimos anos, suas forças decaíram consideravelmente. Até mesmo manter sua própria casa arrumada é muito difícil.

O FIM DA OBRA

Em 2015 o refúgio teve que fechar. Pe. Hermann estava muito doente, e a Igreja Católica local não tinha recursos suficientes (“não tinha interesse”, segundo Christian Bobst) para manter o seu trabalho.

Às vezes as mulheres que eram do refúgio visitam Pe. Hermann no hospital católico de Windhoek, onde ele agora vive. E então ele se sente o homem mais feliz do mundo. 

Pe. Hermann Klein-Hitpass dedicou sua vida para amar os mais pobres entre os pobres. Ele não é um homem de temperamento fácil, e sabe disso. No início de seu trabalho, teve dificuldades com as autoridades, especialmente para abrir o refúgio de Katutura. Seu caráter “forte” e sua teimosia magoaram algumas pessoas. Mas nada disso tira a bondade de seu coração e o amor com que ele abraçou a tantas mulheres que tinham perdido a fé em Deus e em si mesmas.

Um capeta tagarela, tradicionalista ultrarradical e super sincerão: essa é a personagem central do livro “Confissões do Inferno ao exorcista Padre Gabriele Amorth”. Sobre esse livro miserável, temos duas coisas a dizer: não foi escrito pelo padre Amorth e é potencialmente danoso para a fé!

Alguns espertinhos fizeram a maior satanagem ao associar o nome do famoso exorcista de Roma à edição em português desse livro, mas o fato é que Amorth não tem nada a ver com esses escritos, nem com os supostos exorcismos ali narrados. Há apenas uma introdução com uma entrevista dele, que é erroneamente apresentando como "exorcista oficial do Vaticano". O resto é a descrição de uma série de supostos exorcismos realizados em 1976 por padres suíços e um alemão.

O autor se chama Bonaventura Meyer, e o título original é “Mensagens do outro mundo sobre a Igreja do nosso tempo” (esse título foi malandramente modificado pelos rad-trads brasileiros). O livro não apresenta fontes confiáveis, então não é possível dizer se os exorcismos aconteceram mesmo, se os tais padres existiram e se são dignos de crédito.

Diversos sites rad-trads brasileiros disponibilizam esse livro em PDF, dando especial destaque ao texto em que o demo revela que gosta da liturgia da Missa de Paulo VI (a “missa nova”) e que a missa conforme a vontade de Deus mesmo era a Tridentina. Jura, capiroto?

Quer dizer então que Jesus não cumpriu sua promessa, e deixou que as portas do inferno prevalecessem sobre a sua Igreja? Quer dizer que o diabo é tão mais poderoso do que Deus, que conseguiu fazer com que 99% dos católicos passassem a frequentar uma missa danosa para a sua alma? Que tiro foi esse, hein Tatanáis?!

Ao ter acesso a esses escritos cabulosos, muitos católicos estão ficando perturbados, e passam a desconfiar do Magistério da Igreja. Afinal, não possuem informação suficiente que os tenha vacinado contra esse tipo de leitura absurda e essencialmente anticatólica.

O livro diz que o tal capeta que estava atormentando a possessa foi obrigado pelo exorcista a falar a verdade, e daí por diante o Cão desatou a falar mal do Concílio Vaticano II. Em primeiro lugar, a doutrina católica condena a busca por receber mensagens de espíritos de mortos para obter deles “verdades”. Ora, e o que se dirá de um católico que põe fé em supostas revelações do Cão? Agora nossa religião inclui crer em revelações de Satanás? Me poupem...

Para finalizar o assunto... Quando um exorcista vai em socorro de um possesso, ele vai lá para tirar o capeta, e não parar ficar batendo papinho com ele sobre reforma litúrgica, sobre as novas séries do Netflix ou sobre sei lá mais o que. Exorcista reza e expulsa o Maligno, não fica tricotando com ele, está claro?

*****

Siga a gente no Instagram! @ocatequistaoficial

Terça, 23 Janeiro 2018 18:23

Eunucos por amor ao Reino dos Céus

Um dos impulsos mais fortes do ser humano é aquele que gera o desejo de se unir intimamente ao sexo oposto e de formar uma família. Por isso o caminho mais frequente de vida é o do matrimônio. Contudo há um grande número de pessoas que são chamadas especialmente por Deus a viver como os anjos vivem nos Céus: não se casam nem se dão em casamento.

Essa vocação foi intuída até mesmo por muitos povos pagãos. No Egito Antigo, as sacerdotisas que serviam nos templos faziam o voto sagrado de se manterem sempre virgens. Na Antiga Roma havia também as virgens vestais, que serviam no templo da deusa Vesta. No cristianismo, os homens e mulheres vocacionados ao celibato desejam, antes de tudo, imitar Jesus de forma radical

No caso dos homens, a vocação ao celibato é anterior à vocação ao sacerdócio. Por isso, não é porque um rapaz decide viver como celibatário que ele, necessariamente, se tornará padre. São Francisco de Assis, por exemplo, fez voto de castidade, mas jamais pretendeu ser sacerdote. O celibato, portanto, não nasceu em função do sacerdócio. A Igreja é que, em sua sabedoria, seleciona entre os vocacionados à vida celibatária os seus candidatos a padres.

Na Bíblia, essa é a principal referência à vocação ao celibato:

Nem todos são capazes de compreender o sentido desta palavra, mas somente aqueles a quem foi dado. Porque há eunucos que o são desde o ventre de suas mães, há eunucos tornados tais pelas mãos dos homens e há eunucos que a si mesmos se fizeram eunucos por amor do Reino dos céus. Quem puder compreender, compreenda. (Mt 19, 11-12).

Nessa passagem, Jesus previu que muitos não teriam a capacidade de compreender a vocação ao celibato como um dom valioso e especial de Deus. Por isso essa vocação é tão atacada, até mesmo por católicos ignorantes.

Certa vez, ouvi uma freira da minha paróquia agradecer a Deus pelas rugas que começavam a surgir em torno de seus lindos os olhos azuis. Ela dizia: "Desde jovem falam que sou bonita demais, que eu tinha era que me casar. Agora estou com esses pés de galinha, já não ouço mais isso!". Ei, gente: dragão é com São Jorge, não é com Jesus não! E quem faz esse tipo de comentário merece é isso aqui:

Cada escândalo sexual protagonizado por membros do clero católico é usado como munição pelos inimigos da Igreja, que disparam contra a obrigação do celibato clerical. Como se não houvesse gravíssimos e frequentes desvios e escândalos sexuais entre pessoas casadas! O Rei Davi que o diga: tinha várias mulheres e concubinas, e ainda assim foi ciscar no quintal alheio...

São Paulo é muito claro em seu conselho de que o estado ideal de vida é o celibatário, pois assim é possível servir a Deus “sem partilha”, de forma mais integral. Entretanto, ele reconhece que esse chamado não é para todos:

Pois quereria que todos fossem como eu; mas cada um tem de Deus um dom particular: uns este, outros aquele. Aos solteiros e às viúvas, digo que lhes é bom se permanecerem assim, como eu. Mas, se não podem guardar a continência, casem-se. É melhor casar do que abrasar-se. (I Cor 7, 7-9)

Quisera ver-vos livres de toda preocupação. O solteiro cuida das coisas que são do Senhor, de como agradar ao Senhor. O casado preocupa-se com as coisas do mundo, procurando agradar à sua esposa. A mesma diferença existe com a mulher solteira ou a virgem. Aquela que não é casada cuida das coisas do Senhor, para ser santa no corpo e no espírito; mas a casada cuida das coisas do mundo, procurando agradar ao marido. Digo isto para vosso proveito, não para vos estender um laço, mas para vos ensinar o que melhor convém, o que vos poderá unir ao Senhor sem partilha. (I Cor 7, 32-35)

No último livro da Bíblia, o Apocalipse, também há uma referência belíssima àqueles que seguiram Jesus fielmente no caminho da virgindade:

Cantavam como que um cântico novo diante do trono, diante dos quatro Animais e dos Anciãos. Ninguém podia aprender este cântico, a não ser aqueles cento e quarenta e quatro mil que foram resgatados da terra. Estes são os que não se contaminaram com mulheres, pois são virgens. São eles que acompanham o Cordeiro por onde quer que vá; foram resgatados dentre os homens, como primícias oferecidas a Deus e ao Cordeiro. (Apo 14, 3-4)

A despeito das palavras de Cristo sobre os “eunucos” por amor ao Reino dos Céus, dos conselhos de São Paulo e da visão de São João da multidão de virgens no Apocalipse, quase não se vê líderes protestantes ou “evangélicos” vocacionados ao celibato. Curioso, não? Afinal, eles gostam tanto de se gabar que são os autênticos seguidores da Bíblia e da Igreja primitiva... Aham...

*****

Com o valor de 1/2 Big Mac por mês, você pode ajudar a Missão de O Catequista a chegar ainda mais longe. Faça isso agora! Acesse http://catarse.me/ocatequista e apoie nosso trabalho!

O jornal boliviano El Deber noticiou hoje que o presidente boliviano Evo Morales desistiu de colocar em vigor o novo Código Penal, cujo texto havia sido divulgado em dezembro do ano passado.

Muitos cristãos – católicos e “evangélicos” – protestaram, jejuaram e rezaram para que o novo código não fosse aprovado. Para quem deseja se informar sobre os motivos de tanta preocupação com determinados artigos desse Código Penal, confira os artigos que publicamos antes: aqui e aqui.

Morales alegou que estava recuando para não dar à oposição motivos para “conspirar” contra seu governo. Esse recuo parece positivo, mas não permite ainda que os cristãos respirem aliviados. O texto anterior do novo Código Penal foi suspenso, mas Morales garantiu que VAI ELABORAR UM NOVO CÓDIGO PENAL, desta vez, em consenso com os grupos sociais.

Por grupos sociais, devemos entender todos os setores da sociedade, democraticamente representados? Ou será um clubinho restrito aos puxa-sacos aliados do governo? 

Agora é preciso aguardar para ver o que vai sair dessa cartola marxista-cocaleira. Só então poderemos saber se a população boliviana será ou não prejudicada em seu direito de liberdade religiosa e de expressão.

Na fanpage do Jornal El Deber é possível conferir um vídeo com o momento em que Evo Morales anuncia, na TV, a suspensão do novo Código Penal publicado em dezembro de 2017 (clique aqui para ver).

Em nossas comunidades de fé e também na internet, duas correntes distintas e contrárias dentro da Igreja fazem bastante barulho: o farisaísmo e o jujubismo.

O FARISAÍSMO

Ser fariseu, quase todo o mundo sabe o que é: interpretar e aplicar a lei de Deus e as normas da Igreja de forma engessada; somar à lei de Deus preceitos humanos e subjetivos, deixando-a mais difícil de ser seguida; medir os pecados alheios sem, antes, considerar a dimensão dos próprios pecados.

Em seu rigor hipócrita, os fariseus acabam fechando a porta dos Céus para muita gente, pois não entendem aquilo que São João Paulo II chamava de “lei da gradualidade”:

...ciente de que o ser humano «conhece, ama e cumpre o bem moral segundo diversas etapas de crescimento». Não é uma «gradualidade da lei», mas uma gradualidade no exercício prudencial dos atos livres em sujeitos que não estão em condições de compreender, apreciar ou praticar plenamente as exigências objetivas da lei. Com efeito, também a lei é dom de Deus, que indica o caminho; um dom para todos sem exceção, que se pode viver com a força da graça, embora cada ser humano «avance gradualmente com a progressiva integração dos dons de Deus e das exigências do seu amor definitivo e absoluto em toda a vida pessoal e social».

- Amoris Laetitia, ponto 295

Em outras palavras: não se deve esperar que todos tenham a capacidade de abraçar doutrina de Cristo de forma imediata e integral. Algumas pessoas dão passos pequenos e graduais de conversão, e precisam de nosso amor, compreensão e paciência – sem jamais deixar de conduzi-las ao ideal.

Um exemplo de farisaísmo: quando a filha da apresentadora de TV Eliana nasceu, ela entregou a touquinha dela ao santuário de N. Sra. Aparecida. Noticiamos esse ato de gratidão em nossa fanpage. Pularam vários comentários venenosos criticando a apresentadora, que seria protestante, que teria praticado esse e aquele outro pecado... Deixa eu ver se entendi: então só os católicos que estão em estado de graça podem demonstrar devoção à Virgem? Seria preferível que Eliana fosse totalmente indiferente à Mãe de Deus, então?

Acordem! Jesus elogiou o samaritano que foi misericordioso com o homem ferido na estrada – isso apesar do samaritano ser seguidor de um judaísmo herético, deturpado (o bom samaritano, hoje, em relação aos católicos, seria tipo um... bom "evangélico"). 

Talvez a melhor reflexão sobre o farisaísmo que já li até hoje tenha sido essa:

"Você comete os pecados que te tentam, e eu os que me tentam. E todos nos sentimos virtuosos por não cometer os pecados dos outros, quando não há virtude alguma em não cometer pecados que não nos tentam ou não temos pré-disposição."

- Frank Sheed. “Society and Sanity”

A cura para o farisaísmo inclui repetir em voz alta esse ensinamento de Bento XVI, umas mil vezes: “o cristianismo não é uma nova filosofia ou uma nova moral” (Audiência Geral de 3 de setembro de 2008). O cristianismo propõe uma moral, mas ele é muito mais do que um mero código de conduta.

O JUJUBISMO

O jujubismo é o modo de pensar do católico-jujuba. Esse termo fomos nós de O Catequista quem criamos, e acabou pegando no Brasil inteiro. Designa os católicos que pregam um cristianismo docinho, mas que não tem sustança (como uma jujuba).

Os católicos-jujuba pregam a misericórdia desprovida da verdade evangélica. Relativizam e pervertem a doutrina em nome de não desagradar nem ofender ninguém, e assim conduzem muitos para o caminho da perdição. Acham que as regras disciplinares da Igreja são bobagens, que podem ser dispensadas por qualquer motivo.

No Evangelho do católico-jujuba, parece que Cristo só veio pregar duas mensagens: “não julgueis” e “o importante é u amô”. O Catecismo do jujuba é a cartilha mundana do politicamente correto, não a doutrina que recebemos dos Apóstolos.

Podemos resumir o católico-jujuba em uma só imagem:

DALTONISMO BÍBLICO SELETIVO

Fariseus e jujubas se alfinetam e se desprezam mutuamente, mas são farinha do mesmo saco. Seu erro, no fundo, é o mesmo: pinçar e realçar do Evangelho somente os trechos que corroboram com seu ponto de vista e temperamento, e desconsiderar ou dar menor peso às passagens que condenam seu modo de pensar e agir.

Ambos esses grupos sofrem de um daltonismo bíblico seletivo. Quando o fariseu lê a Bíblia, ele não consegue enxergar esses trechos:

Não julgueis, e não sereis julgados. Porque do mesmo modo que julgardes, sereis também vós julgados e, com a medida com que tiverdes medido, também vós sereis medidos. Por que olhas a palha que está no olho do teu irmão e não vês a trave que está no teu? Como ousas dizer a teu irmão: Deixa-me tirar a palha do teu olho, quando tens uma trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave de teu olho e assim verás para tirar a palha do olho do teu irmão. (Mt 7, 1-5)

Quem de vós que, tendo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la? (Lc 15, 4)

Encolerizou-se ele e não queria entrar, mas seu pai saiu e insistiu com ele. Ele, então, respondeu ao pai: Há tantos anos que te sirvo, sem jamais transgredir ordem alguma tua, e nunca me deste um cabrito para festejar com os meus amigos. E agora, que voltou este teu filho, que gastou os teus bens com as meretrizes, logo lhe mandaste matar um novilho gordo! Explicou-lhe o pai: Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. Convinha, porém, fazermos festa, pois este teu irmão estava morto, e reviveu; tinha se perdido, e foi achado. (Lc 15, 28-32)

Quem de vós estiver sem pecado, seja o primeiro a lhe atirar uma pedra. (Jo 8, 7)

Os fariseus dão chilique toda a vez em que alguma norma da Igreja é flexibilizada, ainda que seja por um motivo pastoral justo. Ignoram que Jesus também quebrou uma norma imposta por Ele mesmo: não pregar nem fazer milagres, em sua etapa inicial de missão, a ninguém que não fosse judeu. Veio junto a Ele uma mulher cananeia, a quem Ele inicialmente Ele enxotou ("Não convém jogar aos cachorrinhos o pão dos filhos" – Mt 15, 26). Comovido, porém, sua grande fé, cedeu e realizou o milagre que ela pedia.

Por sua vez, quando o católico-jujuba lê a Bíblia, ele não consegue enxergar essas passagens:

Se eu disser ao pecador que ele deve morrer, e tu não o avisares para pô-lo de guarda contra seu proceder nefasto, ele perecerá por causa de seu pecado, mas a ti pedirei conta do seu sangue. (Ez 33,8).

Como é estreita a porta e apertado o caminho que leva à vida, e são poucos os que o encontram! (Mt 7, 13-14)

E, se ele não os atender, dize-o à Igreja; e, se recusar ouvir também a Igreja, considera-o como pagão e publicano. (Mt 18,17)

Não julgueis pela aparência, mas julgai conforme a justiça. (João 7,24)

No momento em que é aplicada, qualquer correção parece não ser motivo de alegria, mas de tristeza; porém, mais tarde, produz um fruto de paz e de justiça naqueles que foram corrigidos. (Heb 12,11)

Não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os devassos, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os difamadores, nem os assaltantes hão de possuir o Reino de Deus. (I Cor 6, 9-10)

Todos nós, em diversos momentos, talvez tenhamos cedido à tentação de ser católicos-jujubas ou fariseus. O caminho para nos libertamos dessa cegueira espiritual é amar e meditar sobre o Evangelho em sua integralidade. Ler os escritos dos santos ajuda muito também!

O site Vatican News, que reúne as mídias oficiais da Santa Sé, publicou um artigo que divulga os problemas do novo Código Penal que o presidente Evo Morales deseja implantar na Bolívia.

O artigo cita os artigos que os bispos bolivianos denunciaram como sendo contrários à vontade popular. Eis alguns deles (grifos nossos):

Os Artigos 209, 293 e 294 que criminalizam o direito dos protestos.

O Artigo 10 que despenaliza o micro-tráfico de drogas. (...)

Os Artigos 245 e 246 que introduzem um controle inaceitável das redes sociais.

Ademais, os bispos protestam contra a criação da lei que considera como delito o recrutamento com fins religiosos realizado por instituições religiosas. Lei esta que oferece uma interpretação ambígua, o que atenta claramente contra a liberdade religiosa garantida no Artigo 88.I.11.

Também consideram que o novo Código deixa sem proteção a família, visto que a bigamia e o abandono da mulher grávida deixam de ser considerados delitos. (...)

...o conhecido Artigo 157 que coloca a exclusão do delito do aborto em causas tão genéricas que sua punição desaparece...

Tal proposta de Código Penal só pode mesmo ter brotado de um governo demoníaco!

Como já havíamos dito no post que publicamos ontem, não há nada de surpreendente: mais uma vez, são comunistas fazendo comunistice. Buscam instalar o caos, favorecer o crime, prejudicar as famílias, difundir aborto, acabar com a liberdade de expressão e reprimir o cristianismo.

Para ler a matéria do Vatican News na íntegra, clique aqui.

Muitos casais católicos que vivem juntados sem o sacramento do matrimônio, ou são casados somente no civil. Eles não possuem nenhum impedimento moral para se casar, mas adiam o casamento eternamente porque teimam em relacionar cerimônia religiosa a altos gastos de dinheiro. Parem... apenas parem!

Para casar na igreja não precisa nem de vestido de noiva! Basta:

  • que os noivos estejam com a devida disposição de cumprir os votos matrimoniais (conforme as leis da Igreja);
  • que haja um casal de testemunhas (padrinhos);
  • que haja um ministro para presidir a cerimônia – que pode ser um diácono ou um sacerdote. 

O casamento na igreja só é caro para quem quer e está disposto a pagar por certos luxos. Na maioria das dioceses, há paróquias que promovem anualmente casamentos comunitários, que são inteiramente GRATUITOS.

Caso em sua diocese não haja casamento comunitário, procure o pároco e explique sua situação financeira. Ele jamais poderá se negar a fazer seu casamento sem custo ou com uma taxa bem reduzida, em meio a uma missa regular da paróquia. A Igreja é Mãe, e não pode negar os sacramentos a nenhum filho que esteja preparado para recebê-los!

Mesmo sabendo disso, ainda tem casal amasiado que persiste em seu plano de só casar na Igreja quando tiver dinheiro para as flores, os músicos, a viagem de lua-de-mel, o bufê, o DJ, o fotógrafo e a bateria da Mangueira.

Esses casais estão deixando bem claro que são filhos do mundo, e não da Igreja. Materialistas e vaidosos, colocam as coisas do mundo acima das coisas do espírito. Preferem viver afastados da Eucaristia, preferem se arriscar a perder a alma no inferno do que deixar de impressionar azamiga com um festão.

O primeiro mandamento diz: “Amar a Deus acima de todas as coisas”. O sonho do casamento de princesa é bonito e justo, mas não deve ser colocado acima da vontade de Deus.

Se você tem grana para dar uma festa de arromba no seu casamento, faça isso e me convide! Se não tem, simplesmente se conforme. Ponha foco no essencial, que é formar uma família conforme o coração de Deus, e se case em uma cerimônia simples, se estiver convicto de estar fazendo a coisa certa, com a pessoa certa.

 *****

Siga a gente no Instagram: @ocatequistaoficial

Em menos de cinco meses poderá entrar em vigor na Bolívia um novo código penal, que torna crime a conversão para qualquer religião. Como o cristianismo é uma crença essencialmente proselitista (que busca fazer novos discípulos), obviamente, os cristãos católicos e “evangélicos” serão os mais prejudicados.

Em 14 de dezembro de 2017, a assembleia legislativa reformou o Código Penal (veja aqui o documento completo), a mando do presidente comunista Evo Morales. O ponto do texto que mais está alarmando a população é o artigo 88, item 11:

ARTÍCULO 88. (TRATA DE PERSONAS). I. Será sancionada con prisión de siete (7) a doce (12) años y reparación económica la persona que, por sí o por terceros, capte, transporte, traslade, prive de libertad, acoja o reciba personas con alguno de los siguientes fines:

11. Reclutamiento de personas para su participación en conflictos armados o en organizaciones religiosas o de culto;

Em um país em que mais de 90% da população é cristã, toda pessoa que convidar um não cristão para a sua igreja ou para uma reunião religiosa em sua casa ou em outro local estará sujeita à pena de prisão. O responsável ou líder do local que acolheu a reunião também poderá ser penalizado.

Essa medida do governo bolivariano não deveria surpreender a ninguém, pois é coerente com lógica de um governo autoritário liderado por comunistas. Seria inevitável que isso acontecesse, mais cedo ou mais tarde!

Os comunistas sabem que a principal pedra no seu sapato é a Igreja Católica (e, em certa medida, as demais comunidades cristãs), pois tudo o comunismo precisa que todas as pessoas tenham o Estado como fonte de seus valores e ideais, para poder controlá-las melhor. Mas se o indivíduo tem como fundamento a religião e a família, isso contraria o projeto totalitário socialista.

Obviamente, os valores de Cristo entram em conflito constantemente com a agenda socialista - que, sobretudo, quer instalar a o caos, a luta de classes e o fim da família. Os comunistas sabem disso, e naturalmente querem extirpar o cristianismo da face da terra. Enquanto não conseguem fazer isso, cuidam de enfraquecê-lo.

Desde que foi eleito, Evo Morales dá todo o enfoque para os ritos pagãos indígenas: seu sonho é estabelecer a religião nativa da Bolívia como uma religião nacional, que não entra em choque com seus objetivos políticos.

A Conferência Nacional dos Bispos da Bolívia já se manifestou, por meio deste vídeo:

*****

Aqui no Brasil, temos que ficar atentos com as eleições de 2018, para que não tomemos esse mesmo rumo de falta de liberdade religiosa. E, sobretudo, rezemos pela Igreja na Bolívia!

Nossa Senhora de Copacabana, padroeira da Bolívia, rogai por nós!

Há um grupo de católicos espalhando por aí que não se deve rezar o Terço da Misericórdia e que as visões de Santa Faustina estão condenadas pela Igreja. Mentira!

Santa Faustina Kowalska foi uma freira polonesa que nasceu em 1905, e morreu com apenas 33 anos de idade. Ela teve uma intensa experiência mística, por meio da qual Jesus lhe fez revelações. O conteúdo dessas visões sobrenaturais foi registrado em seu famoso Diário.

Essas revelações privadas deram origem à Devoção à Divina Misericórdia, cujo maior símbolo é a pintura de Jesus Misericordioso. A primeira pintura, feita de acordo com as indicações da santa (imagem 1, abaixo), foi feita por Eugênio Kazimirowski. Dez anos depois, surgiu outra pintura, que se tornou ainda mais popular (imagem 2). 

No ano 2000, São João Paulo II canonizou Santa Faustina, e instituiu a Festa da Divina Misericórdia, no segundo domingo do Tempo de Páscoa.

A CONDENAÇÃO PROVISÓRIA DOS ESCRITOS DE SANTA FAUSTINA

A Igreja é uma mãe muito zelosa, e faz o máximo para impedir que seus filhos caiam no papo de videntes malucos ou mal-intencionados. Por isso, algumas vezes, os escritos de santos – especialmente aqueles que relatam visões místicas – foram condenados pelo Santo Ofício, como forma de precaução. Após anos de uma cuidadosa investigação, esses mesmos escritos foram aprovados. Isso aconteceu, por exemplo, com os escritos de Santa Teresa D’Ávila.

Bem diferente de muitas seitas protestantes, a Igreja não sai fazendo promoção e sensacionalismo em cima de supostos milagres e visões sobrenaturais. Ela sempre fica com um pé atrás com essas coisas, e só aprova depois de apurar bem. Esse foi o caso dos escritos de Santa Faustina.

Em 1959, sob o pontificado de São João XXIII, os escritos da santa foram condenados pela Sagrada Congregação para Doutrina da Fé. Em 1978, porém, a mesma Sagrada Congregação revogou a condenação e permitiu que os fiéis praticassem a Devoção à Divina Misericórdia.

Essa notificação de 1978 está na Acta Apostolica Sedis volume LXX (AAS 70, 350), sob o pontificado do beato Paulo VI. E também pode ser conferida em português, no site do Vaticano:

Notificação sobre a devoção à Divina Misericórdia*

De diversos lugares, especialmente da Polônia, inclusive de fontes autorizadas, têm-nos perguntado se as proibições contidas na “Notificação” da S. Congregação do S. Ofício, publicada em AAS, no ano 1959, 271, referentes à devoção à Divina Misericórdia na forma proposta por Ir. Faustina Kowalska, estão ainda em vigor.

Esta S. Congregação, tendo em vista os muitos documentos originais, desconhecidos em 1959; considerando que as circunstâncias variaram profundamente e contando com o parecer de muitos Ordinários poloneses, declara que as proibições contidas na citada “Notificação” não obrigam doravante.

Na Sede da S. Congregação, 15 de abril de 1978.

*****

Com o valor de 1/2 Big Mac por mês, você pode ajudar a Missão de O Catequista a chegar ainda mais longe. Faça isso agora! Acesse http://catarse.me/ocatequista e apoie nosso trabalho!

Página 1 de 48
Publicidade
Publicidade